Listas no Filmow

Filmes, seriados, desenhos e curtas coreanos, japoneses, chineses e mais alguns outros asiáticos para assistir


http://filmow.com/listas/filmes-seriados-desenhos-e-curtas-coreanos-japoneses-chineses-e-mais-alguns-outros-asiaticos-para-assistir-l6954/

OBSERVAÇÃO: 99% das críticas antes de 2014 são experimentais, tenha isso em mente antes de ler.

quinta-feira, 25 de agosto de 2016

The Himalayas [crítica incompleta]

~Publicado originalmente em redes sociais~
~Entende-se por crítica incompleta um longo comentário que fiz sobre a obra e considerei interessante postar aqui, mesmo que não tenha me aprofundado tanto~

Apesar de eu não ser muito chegado em filmes do tipo, como tinha visto o filme americano Everest, lançado meses antes desse, decidi dar uma chance também para o coreano The Himalayas. Isso porque ambos são baseados em fatos e se passam no mesmo lugar, mudando a data e a equipe. Porém são filmes completamente diferentes. Infelizmente a versão coreana é mais desconhecida, mesmo com as notícias que circularam parte do mundo dizendo que The Himalayas venceu Star Wars VII em sua bilheteria de estreia na Coreia do Sul.

O filme se divide entre momentos humorados e dramáticos. A maior parte do humor está presente antes da grande tragédia (que é revelada já na sinopse do filme e provavelmente no trailer, ou seja, só quem ver sem saber de nada irá se surpreender nesse quesito). Mesmo com certa alternância entre dois personagens em destaque, o principal mesmo é o capitão Um Hong-gil. O que divide espaço é o Park Moo-taek.

O tom cômico inicial dá um ar de graça a situação e um apego rápido aos personagens. Quando chega a tragédia, porém, o humor esfria (com perdão do trocadilho) e dá lugar a um forte drama que literalmente ultrapassa o Everest.

A trama percorre anos de história, mas nem sempre o filme deixa isso claro, cabendo ao leitor bastante atenção para perceber que um tempo se passou desde a cena anterior. O mesmo vale para as poucas cenas de flashback que ocorrem mais pro final do filme.

Boas atuações, trilha adequada e efeitos dignos fazem de The Himalayas uma interessante recomendação para quem gosta de filmes do gênero e procura algo diferente.

Yeh Jawaani Hai Deewani [crítica incompleta]

~Publicado originalmente em redes sociais~
~Entende-se por crítica incompleta um longo comentário que fiz sobre a obra e considerei interessante postar aqui, mesmo que não tenha me aprofundado tanto~

Vi por recomendação das cenas musicais, então nem tava me preocupando muito com a história. No início pensei que seria mais um drama romântico adolescente daqueles clichês da nerd e do popular que se apaixonam, mas aos poucos foi dando lugar a um drama romântico mais adulto.
A primeira parte do filme serve como um grande flashback, se passando oito anos antes, contando o começo da relação entre a garota nerd e o trio de amigos que só queriam curtir a vida (todos antigos "colegas de classe"). A primeira meia hora é sem graça e não dá indícios de melhora, mas depois as coisas lentamente vão ficando boas, naquele estilo sempre envolvente dos clichês românticos.
A segunda parte do filme já se passa no 'presente', com os personagens mais crescidos e seguindo suas vidas. É aqui que vemos como a vida adulta acabou com toda a magia da adolescência dos personagens. Ao se reencontrarem, pensamentos e reflexões vem a tona, envolvendo amizade, amor, família e vida profissional.
Enquanto na primeira parte temos a garota nerd como protagonista, na segunda as coisas mudam para o cara popular, que agora amadureceu bastante. Essa mudança de foco chega a ser interessante, mas a verdade é que todos tem seus espaços, incluindo os outros amigos.
A trilha sonora é ótima e com certeza entra pra minha lista de preferidos nesse quesito. Quanto ao filme, a primeira parte pode deixar a desejar por um bom tempo, mas a segunda não. Seu clima misto de depressão e alegria não o deixa ser tão romântico quanto poderia ser (felizmente), o que é ótimo para mexer com o público e deixar a incerteza na mente sobre como tudo aquilo irá terminar.

Vi por recomendação das cenas musicais, então nem tava me preocupando muito com a história. No início pensei que seria mais um drama romântico adolescente daqueles clichês da nerd e do popular que se apaixonam, mas aos poucos foi dando lugar a um drama romântico mais adulto.

A primeira parte do filme serve como um grande flashback, se passando oito anos antes, contando o começo da relação entre a garota nerd e o trio de amigos que só queriam curtir a vida (todos antigos "colegas de classe"). A primeira meia hora é sem graça e não dá indícios de melhora, mas depois as coisas lentamente vão ficando boas, naquele estilo sempre envolvente dos clichês românticos.

A segunda parte do filme já se passa no 'presente', com os personagens mais crescidos e seguindo suas vidas. É aqui que vemos como a vida adulta acabou com toda a magia da adolescência dos personagens. Ao se reencontrarem, pensamentos e reflexões vem a tona, envolvendo amizade, amor, família e vida profissional.

Enquanto na primeira parte temos a garota nerd como protagonista, na segunda as coisas mudam para o cara popular, que agora amadureceu bastante. Essa mudança de foco chega a ser interessante, mas a verdade é que todos tem seus espaços, incluindo os outros amigos.

A trilha sonora é ótima e com certeza entra pra minha lista de preferidos nesse quesito. Quanto ao filme, a primeira parte pode deixar a desejar por um bom tempo, mas a segunda não. Seu clima misto de depressão e alegria não o deixa ser tão romântico quanto poderia ser (felizmente), o que é ótimo para mexer com o público e deixar a incerteza na mente sobre como tudo aquilo irá terminar.

[LEO NERD] Batman - A Piada Mortal

Link: https://www.facebook.com/360099864069664/photos/a.360432400703077.85964.360099864069664/1039734239439553/?type=3&theater

[LEO NERD] Sharknado: Corra Para o 4º

Link: https://www.facebook.com/360099864069664/photos/a.360432400703077.85964.360099864069664/1054238861322424/?type=3&theater

terça-feira, 26 de julho de 2016

Batman: A Piada Mortal

~Publicado originalmente em redes sociais~


Batman: A Piada Mortal

Difícil não criar hype para uma animação baseada num ótimo clássico, ainda mais quando colocamos Batman e Coringa na mesa história. A animação de A Piada Mortal consegue adaptar a hq de forma bem fiel até, pelo menos no quesito de acontecimentos, diálogos, enquadramentos, etc, mas erra no ritmo e seu acréscimo de conteúdo não é marcante, apesar de necessário. O resultado é uma animação "montanha-russa", ora bom, ora não ruim mas deixou devendo algo.

Por mais que a ideia de inserir a Batgirl e desenvolver sua personagem na trama fosse ótima e necessária, algo que eu mesmo gostaria de ver, entregaram algo 'nada demais', que cumpre sua função mas não marca (nem a polêmica e duvidosa cena envolvendo ela e o Batman). Além, fizeram ela parecer a protagonista, enquanto a história sequer é dela, o que deixa bem claro na segunda metade do filme, quando realmente A Piada Mortal é adaptada.

Ainda que alguns diálogos sejam bons nas hqs, na animação pareceu forçada, como se um livro tivesse sendo citado (o que não deixa de ser verdade), como na cena do Batman interrogando o Coringa antes do caos começar. A animação está repleta de bons diálogos, mas nem sempre eles se encaixam com perfeição a cena. Mas o que deixou a desejar foi o estilo da animação, soando mais cartunesco que de costume (e mais ainda durante os flashbacks).

Toda a parte que adapta A Piada Mortal é previsível para quem leu a hq, mas dá pra marcar. Coringa insano praticando crueldades pouco exploradas envolvendo nudez e abuso. Só senti que não marcou tanto quanto esperava. Talvez por já saber a história e seguirem fielmente, mas sem o peso das hqs, por mais que seja sério. Mas ele tá lá, doentio como nunca.

Apesar das falhas, A Piada Mortal ainda assim é uma boa animação, mas prejudicada pelo próprio hype, não só por ser uma adaptação de uma hq clássica, mas tb pela DC ser conhecida por suas animações de qualidade.

domingo, 17 de julho de 2016

[LEO NERD] Hardcore: Missão Extrema

Link: https://www.facebook.com/360099864069664/photos/a.360432400703077.85964.360099864069664/1025045227575121/?type=3&permPage=1

[LEO NERD] Batman vs Superman: A Origem da Justiça - Edição Estendida

Link: https://www.facebook.com/360099864069664/photos/a.360432400703077.85964.360099864069664/1025037637575880/?type=3&permPage=1

[LEO NERD] The Hobbit: The Tolkien Edition

Link: https://www.facebook.com/360099864069664/photos/a.360432400703077.85964.360099864069664/1025027404243570/?type=3

domingo, 22 de maio de 2016

Assassination Classroom (Ansatsu Kyoushitsu) (mangá)

~Publicado originalmente em redes sociais~


Assassination Classroom (Ansatsu Kyoushitsu)

Com um humor duvidoso, Assassination Classroom foi muito além de alunos tentando matar seu professor. Foi uma história de vida, aprendizagem e superação. Uma lição de como ser uma boa pessoa. Um modelo de como um professor deve ser em relação aos seus alunos, modelo esse que está em falta nos dias de hoje. Lembro quando comecei a ler esse mangá, ainda em sua época de estreia, quando nem tinha site traduzindo frequentemente os capítulos. Depois de um bom tempo sem ler, descobri que já estavam traduzindo, assim como a confirmação do lançamento no Brasil. Voltei a ler esse ano disposto a ir até o fim. Coincidentemente, o mangá foi encerrado esse ano também. Que história! Vai deixar saudades. A premissa viajada foi o que mais chamou a atenção. Um polvo supostamente destruiu a Lua e disse que iria destruir a Terra em um ano. Para tentarem impedi-lo, uma classe rebaixada de uma escola conceituada começou a ser treinada para matá-lo, sendo ele mesmo o professor. Com esse objetivo, a história acompanhou e desenvolveu a relação professor-aluno e se utilizou do cotidiano para seu foco: Mostrar os alunos sobrevivendo as dificuldades do dia a dia (pressão, humilhação, coisas do tipo), enquanto pensavam em seus futuros e treinavam para se tornarem não só assassinos, mas pessoas de caráter. Dá pra estranhar a trama, que rende momentos bizarros e hilários, com crianças sorrindo enquanto tentam matar seu professor ao mesmo tempo que estudam, mas acredite: Ela é ótima. Mesmo com tanto humor, ainda temos o lado dramático quando é necessário. O mangá acaba sendo uma mistura de gêneros, com arcos que podem ser bem diferentes um dos outros, mas nada que não fuja do padrão japonês. Composto de um envolvimento especial com o leitor, pode-se até ignorar os defeitos que a história possui, como alguns arcos que não acrescentam nada de significante na trama, soando como momentos de service com clichês básicos japoneses que eu particularmente não curto. Felizmente, o mangá salva a si mesmo desses momentos de mesmice graças a própria trama, que é mostrar os alunos criando meios de assassinar seu professor, então nada é realmente em vão. Quanto mais me aproximava do final, mais a curiosidade aumentava. Reviravoltas inesperadas aconteciam para que tudo não se tornasse repetitivo. Introdução de novos personagens, retorno de antigos, mudanças drásticas nas relações dos personagens, coisas básicas para uma história prosseguir. Além, claro, de reviravoltas marcantes. Assassination Classroom foi um ótimo mangá de acompanhar, e olha que raramente acompanho algum. A ideia de usar técnicas utilizadas para o mal em coisas boas foi uma sacada ótima, mostrando que, quando a arma está em nossas mãos, nós temos o poder de salvar ou destruir. As críticas sociais presentes na história foram bem feitas e deixaram claro seus reais motivos. No fim, a história foi uma grande lição de como ser um professor de verdade e o quanto ele tem a ensinar sobre a vida para seus alunos.

sábado, 7 de maio de 2016

Os Dez Mandamentos - O Filme (2016)

~Publicado originalmente em redes sociais~

Os Dez Mandamentos - O Filme (2016)

Eu disse que ia conferir, não disse? Pois então. Vi o filme e alguma intervenção queria fazer eu parar de ver, porque o filme travou duas vezes e congelou a tv. Mesmo assim continuei e vi todo o longa. A primeira coisa que me veio em mente ao terminar foi: "Porque, Record?". Em parte é ruim, em parte é bom, e explicarei melhor a seguir.

Todo mundo já sabe que o filme na verdade é um resumo de umas 200 horas de novela em duas horas de longa, correto? Não, mas a maioria deve saber (espero). Então deve-se esperar uma novela, e não um filme, certo? Não, porque eu quero ver filme, não novela. Mas se é uma novela disfarçada de filme e eu vi porque quis, não posso ficar reclamando disso, posso? Poder até posso, mas tentarei ser bonzinho.

Cheguei a ver algumas matérias na Record na época que anunciaram o filme, sobre a conversão cinematográfica, a melhora de qualidade, etc. Nada disso funciona, porque o filme continua parecendo novela. Fica na cara que o filme é um resumo, e nem precisa entender de cinema pra isso e talvez nem saber que existe novela. As passagens de cenas deixam claras. Enquanto em umas são bem feitas, outras simplesmente começam do nada e mostram conteúdo que qualquer um que não conheça toda a história de Moisés fique confuso. Felizmente o filme tem bons momentos e não fica o tempo todo jogando informações no público e largando depois. Não o tempo todo.

Lembro dos comentários sobre quão magnífico havia ficado os efeitos. Pra uma novela brasileira ficou ótimo, pra uma série normal ficou como deveria ficar, mas pra cinema ficou ultrapassado demais. Vale ressaltar que há filmes com qualidade muito pior, mas o caso aqui é especial por se tratar de cinema, mesmo sendo um resumo de novela.

Falando em resumo, não achei tão corrido quanto falavam. Lendo algumas críticas então entendi que muitos acharam a primeira metade muito corrida e só depois o filme começou a andar mais devagar. Realmente, passado o início, o filme sai tacando acontecimentos variados pra só depois parar e seguir mais tranquilamente, mas sem parar.

A história de Moisés já foi contada várias vezes e aqui não é diferente. Apenas recontaram a história mudando algumas coisas, considerando como licença poética. Teve gente que gostou, mas também gente que se revoltou e considerou heresia. Não lembro tudo o que tá na história bíblica, mas estranhei muito alguns momentos. Pela obra que originou o filme se tratar de uma novela, dá pra entender os acréscimos e as interpretações. O que realmente achei desnecessário foi Josué relembrar a história de Moisés. Soube que as tais cenas adicionais e final inédito não são novidade nenhuma, primeiro porque não acrescentam em nada na trama e segundo porque a novela ainda contará mais coisas, enquanto no filme encerram de vez a história de Moisés, sobrando assim a de Josué para contar.

Sobre a parte visual, não dá pra comentar muito, já que é uma produção de tv, mas dá pra deixar passar. Sobre as atuações, tem umas sofríveis e outras ok. Uns fazem seu papel, outros soam caricatos demais. Peço desculpas aos que eu ri kk sobre a trilha, sem reclamações, só elogios na verdade.

Agora uma coisa que me incomodou mais que as passagens repentinas e a falta de desenvolvimento em alguns momentos foram o modo de dialogar. Simplesmente saíram falando normalmente, com sotaques e entonações que não lembra aquele povo. Fiquei esperando alguém soltar uma gíria. Sério.

Outro incômodo foi a narração. Em alguns momentos até ajudou a explicar as coisas nas passagens de tempo, mas na maior parte apenas disse o óbvio, como se o público não já tivesse vendo que aquilo que o narrador disse já havia acontecido ou estava acontecendo.

Os Dez Mandamentos passa bem longe de ser uma perfeição e também não chega nem perto de versões anteriores como a dos anos 50, considerada a "definitiva", mas não é um lixo completo como muitos andam dizendo. Como cinema falha miseravelmente, mas como filme-resumo até que está bem feito. Já vi coisas muito piores que isso, muito mesmo. Então é aceitar que é um filme-resumo de novela e ver com essa mente pra então aproveitar o longa.

Pior de tudo mesmo é a exploração exagerada que estão fazendo com essa novela: Livros, peça teatral, bijuterias, esmaltes... Sim, podem pesquisar que é tudo real. Só o que é boato é sobre o desenho animado, até então nada confirmado. E preparem-se para mais, porque a segunda temporada da novela tá aí e não duvido que tudo se repetirá.

quarta-feira, 4 de maio de 2016

Produce 101 (programa musical)

~Publicado originalmente em redes sociais~


Grande surpresa esse programa. Gostei muito do formato. Geralmente o padrão dos programas musicais é aquele de ir eliminando metade por metade, mas já sabia que Produce 101 fugia desse formato. Apesar de já ter visto apresentações de vários outros programas (coreanos), esse foi o primeiro que acompanhei todos os episódios (mesmo com longa duração, foram apenas 11 episódios). 101 trainees (todas garotas) de 50 empresas diferentes disputando 11 vagas para formar um grupo de kpop durante 1 ano.

Sério, quero mais disso. E vou listar os motivos que fizeram esse programa ótimo

- Treinamento antes de eliminação Depois das classificações e reclassificações iniciais, as trainees foram treinadas para se apresentarem. Ou seja Mesmo indo mal na apresentação inicial, a trainee era posteriormente treinada para assim se apresentar novamente.

- Público como jurado Tenho minhas ressalvas quanto a isso, mas o povo é quem decidia quem continuava ou não. Por um lado isso trouxe uma interatividade maior ao programa, mas por outro fiquei com medo de votarem apenas nas populares. Felizmente as surpresas foram boas.

- Avaliação em quesitos Para entender melhor o programa deve ter certo conhecimento do mercado musical e do kpop, especialmente em como são formados grilgroups. Então, naquela busca por perfeição, diversos pontos são avaliados. Os dois principais são saber cantar e dançar. Não adianta saber cantar mas não saber dançar. E os avaliadores pegavam pesado mesmo. A pessoa pode ser a mais gente boa de todas, mas se errar, leva bronca e o clima fica sério. Claro que teve elogios, mas nos momentos adequados.

- Avaliadores Os avaliadores foram pessoas famosas do ramo que entendem do assunto, como a Kahi (ex-After School), Cheetah e JeA (BEG).O apresentador foi o Jang Keun Suk, o Príncipe da Ásia, que chegou a avaliar no início também. Cada um é experiente numa área diferente, o que equilibrou na hora de avaliar.

- Participantes em desenvolvimento e experientes Apesar de diversas trainees que nunca saíram das agências, no meio haviam algumas relativamente famosas, inclusive trainee que saiu de grupo, que o grupo acabou, que saiu no pré-debut, que participou de outro programa musical, etc. De início pareceu que elas receberiam toda a atenção e prejudicaria a participação das outras, mas talentos escondidos começaram a aparecer ao longo do programa e ganharam seus espaços.

- Produtores musicais e músicas originais Ao longo do programa, começaram a aparecer produtores e artistas musicais famosos no kpop que produziam músicas. Ou seja, o programa não ficou preso apenas a covers. Com o tempo vieram músicas totalmente originais.

- Treinamentos e aproximação com o público Na maior parte do tempo os episódios se dedicaram a mostrar os ensaios das trainees e suas dificuldades e sucessos, além de pequenas entrevistas contando suas histórias (caso se encaixasse no momento). Isso fortaleceu demais o vínculo com o público. Não tinha como não amar as participantes. Adicionado a votação pública, como já citei antes, a aproximação ficou maior ainda.

- Apresentações Todas as apresentações feitas para o público foram em grupos, ou seja, não bastava apenas a integrante ser boa, ela tinha que ter harmonia com as outras integrantes e todo o grupo precisava demonstrar seu potencial. O prêmio acabava sendo pontos bônus para as classificações. As apresentações também eram bem produzidas, com visual próprio pra cada grupo. Nos covers até aconteceu de 'renovarem' as músicas com novos passos de dança e afins.

Apesar de tantos pontos positivos, de negativo cito a enrolação desnecessária do programa. Muito legal (e, de certa forma, interessante) acompanhar o processo de formação dos grupos, como era escolhido quem seria quem, mas as vezes demoravam demais nisso. Mas o pior mesmo eram nas eliminatórias. Suspense além do limite. E, caso não fosse o bastante, ainda enchiam com cenas variadas das integrantes e pequenos tops feitos entre elas, como as mais lindas e tal. Não que fosse ruim, mas a partir do momento que usam com finalidade de enrolar, a qualidade cai um pouco.

Mesmo com esses pequenos problemas, a maior parte de Produce 101 merece ser aplaudida. Um projeto ambicioso que uniu diversas empresas e garotas com o sonho de debutarem no kpop.

sexta-feira, 15 de abril de 2016

Deus Não Está Morto 2

~Publicado originalmente em redes sociais


Deus Não Está Morto 2

Depois de um primeiro filme estereotipado ao extremo que desperdiçou ao máximo seu potencial, pensei em passar longe da franquia, mas a situação imposta na continuação me chamou a atenção e decidi conferir. Que surpresa: Evoluíram muito. Acertaram em umas coisas, erraram em outras, exageraram em outras, mas o filme voltou bem melhor.

Vale citar, porém, que mesmo com essa evolução, há certo reaproveitamento dos elementos do primeiro filme. Por um lado, toda aquela trama paralela sem graça foi retirada (há referência ao carro, mas não passa disso). E nem todos os ateus são maus (a maioria ainda é haha). Por outro, a imagem de que todos os cristãos são bons continua e repetem a base do arco da muçulmana que se converteu e foi abandonada pela família, só que agora é com um chinês.

Uma professora responde uma pergunta de uma aluna envolvendo Jesus. Os pais da garota, juntamente com o Estado, decidem processar a professora. O advogado da professora é ateu, mas vê naquela situação uma injustiça. A trama do filme pode ser considerada puramente vitimista e até mesmo de uma realidade paralela, como já cheguei a ler pela internet. Pois bem. Primeiro devemos entender que é um filme religioso, voltado para o público religioso e que fala de coisas religiosas. Sim, há filmes religiosos aclamados pela crítica e público independente de crenças, como Os Dez Mandamentos de 1956 e O Príncipe do Egito, mas não é o caso de Deus Não Está Morto 2, que entra no quesito "totalmente voltado para o público religioso", engrandecendo o cristianismo, por exemplo. Segundo devemos compreender que o filme tem como base uma mistura de acontecimentos reais. Mas então tudo isso justifica o fato do filme ser do jeito que é? Ironicamente não, mas se não fossem os exageros presentes na trama, sequer teríamos filme. A ideia de uma professora ser processada pq citou Jesus como figura história interligando com King e Gandhi, na vida real, não creio que faria algo do tipo acontecer. Impossível não, mas improvável.

Diferente do primeiro, o foco aqui é mais no julgamento que tudo (chega a ser estranho ter que citar isso, mas no primeiro o debate ficou em segundo plano). As cenas nos tribunais são atraentes e conseguem prender a atenção, seguindo caminhos curiosos. Para um cristão, um prato cheio do evangelho. Para pessoas de outras religiões ou ateus, talvez uma curiosidade. Mas como disse, é um filme totalmente voltado para o público ao qual foi designado, logo o filme sempre estará ao favor dos cristãos, independente do quanto mostre o outro lado.

"O que realmente está em julgamento aqui?", diz uma das perguntas escritas num bloco de notas. Dessa vez não é Deus que está sendo desafiado por existir ou não, e sim Jesus. E aqui entra o ponto mais positivo do filme: Tiveram o cuidado de pesquisar argumentos que tentem provar a existência de Jesus, trazendo até estudiosos da área para depor, tornando assim o julgamento ainda mais interessante. Porém devo ressaltar que provar a existência de Jesus é uma coisa, agora provar a divindade aí já é questão de fé. O filme pode forçar em determinados momentos, mas nesses não há uma insistência em provar a divindade, separando assim seus momentos de fé dentre os cristãos e deles para o mundo e seus momentos de confronto da Bíblia como fato, ou pelo menos de Jesus. Duvido que parte do público note isso, tanto cristão quanto ateu.

O final entretanto soa forçado, mas não desmerece os pontos fortes do filme. O show que no primeiro fez tudo parecer uma propaganda está de volta, mas agora de forma decente. Ufa. Pena que a corrente continua, mais brega que isso não dá. E uma coisa curiosa é que existe uma cena depois disso tudo, antes dos créditos subirem, resgatando partes que o filme não encerrou, dando assim um gancho para uma continuação que parecer ser maior ainda. Deus Não Está Morto 2 pode não ser uma maravilha, mas cumpre o que promete e é feito sob encomenda para seu público, ou parte dele.

sábado, 26 de março de 2016

Batman vs Superman - A Origem da Justiça

~Originalmente publicado em redes sociais~


Batman vs Superman - A Origem da Justiça

Vi o filme na sexta. Ainda não consigo descrever o quão incrível foi. Não perfeito, mas grandioso. Ousado, sombrio, sem medo da concorrência, sem recuos, um sonho realizado pra qualquer leitor de hqs fã da DC. Se para os críticos de cinema foi uma decepção, para a maioria dos fãs será um dos melhores filmes de super-herói já feito.

Depois da boa abertura focada nos Wayne, temos uma excelente cena interligando BvS com MoS, com Bruce em meio a destruição de Metrópolis. Passado isso, o filme acaba sofrendo com algumas cenas arrastadas, mas não necessariamente ruins. Talvez a edição tenha surtido esse efeito devido a tanta história para contar. Porém aos poucos as coisas voltam a melhorar e depois tudo se torna um mero detalhe perante a grandiosidade que as cenas posteriores apresentam. Durante o longa são tratadas questões importantes envolvendo o Superman, que está sendo visto como uma ameaça depois dos rastros de destruição que deixou em suas lutas, onde diversas pessoas morreram. Batman está doido para acabar com o alienígena, assim como Superman não gosta "desse tal de Batman".

Chega a ser surpreendente ver como levaram tudo tão a sério e criaram uma adaptação que parece ter sido construída totalmente focada nos fãs do universo das hqs. Diferente da concorrente Marvel, com seus filmes pipoca feitos para toda a família, repleto de humor e aventura, a DC mostra um mundo sombrio, filosófico, cruel. É outro nível, bem diferente, difícil de comparar. Vale ressaltar que gosto bastante dos filmes da Marvel, mas a DC mostrou algo que sempre quis ver num filme de super-herói, algo mais sério, mais dramático, sem alívios forçados.

O grande destaque vai para a luta entre Batman e Superman, que dá nome ao filme. São momentos únicos, algo tão surreal que para entender só vendo mesmo. A batalha contra o Apocalipse também é de suar os olhos, unindo a "Trindade" da DC: Batman, Superman e Mulher-Maravilha. Para o povão talvez seja uma nova experiência, mas os leitores de hqs perceberão referências a clássicos dos quadrinhos, usados mais do que apenas inspiração para o roteiro. Em determinados momentos mais parecia que transcreveram algumas passagens das hqs e filmaram, salvo mudanças, claro. E certas cenas ainda abrem espaço pra teorias.

Ben Afleck como Batman tá demais, agora sim temos um Batman mais detetive e lutador no cinema, algo que ficou devendo em parte na trilogia Nolan, por mais incrível que tenha sido os filmes. A Mulher-Maravilha nem se fala, já chega arrasando. Gal Gadot cumpre bem o papel. E o que falar o Lex Luthor? Insano! Ele de certa forma funciona como um alívio cômico, mas a base de pura ironia de uma mente doentia. Agora o Alfred não fica marcado, mas quem sabe num filme solo do Batman poderemos ver melhor o personagem. O Apocalipse não preciso comentar, mas já comentando, ele vai muito além do que mostrado nos trailers.

Falei muito mas falei pouco. Comentar um filme desse nível onde diversas coisas acontecem sem dar spoiler é uma tarefa difícil, mas o recado foi dado. BvS inicia uma nova era com indícios de um mundo de heróis. Sim, o universo já está montado, os "deuses estão entre nós", mas, por mais que tais personagens sejam jogados na trama sem explicação, fazendo suas pontas, o filme entende que o público precisa entende-los, e é o que farão nos próximos filmes da franquia, antes de chegarmos ao mítico filme da Liga da Justiça. Senti que esse universo DC já começou com clima apocalíptico (sem trocadilho). Estariam caminhando para algo grandioso ao nível das grandes sagas da DC? Depois do que vi, não duvido de nada.

sábado, 13 de fevereiro de 2016

Deadpool

~Publicado originalmente em redes sociais~



Deadpool

O amado e odiado personagem dos quadrinhos que se metia em histórias escritas a base de misturas potentes de drogas elevado ao infinito finalmente ganhou um filme. Apesar do medo, muitos acabaram elogiando o longa, alguns até disseram ser o melhor ou dos melhores filmes de "super-herói" de todos. Exagero demais, eu sei. Mas então, o filme é bom? É. Muito bom mesmo? Não. Na verdade nem chega perto de ser toda essa maravilha grandiosa extraordinária que andam comentando por aí. Mas calma, o filme é muito divertido. Vamos por parte.

Antes de falar do filme, tenho que falar do material de divulgação. Primeiro veio aquele vídeo divertido que fez o filme acontecer, até aí tudo bem. As propagandas em imagens também foram ótimas. Mas meu ponto são os trailers. Não entendi quanta empolgação a internet ficou com eles. Pra mim são trailers chatos, ruins mesmo, o filme parecia uma bosta. No primeiro só tinha sacanagem e nada mais. No segundo só umas cenas genéricas de ação. Podem reclamar, mas Deadpool não é só isso. Ele é pura zoeira, mas não pura sacanagem. Minha expectativa diminuiu drasticamente e nem as boas notas conseguiram me empolgar, mas caramba, é Deadpool, ia ver de qualquer jeito. E fui. Cinema lotado, consegui pra sessão posterior, mas vi o filme. E aqui, sem mais enrolações, começo a falar do filme. Dessa vez considerei melhor dividir em tópicos.

- História: Aceitável. Não há segredos na simples história cinematográfica de Deadpool, um filme de origem com uma trama romântica envolvendo drama, ação e... "sacanagens". Wilson é o cara zoeiro que descobre ter câncer, acaba fazendo parte de um experimento cruel, vira o Deadpool e decide se vingar. Ponto.

- Personagens: São normais, nenhum realmente marcante, mas todos cumprem seus papéis. Os mutantes são ok (dos X-Men tem o Colossus e a outra de "nome maneiro"), o Deadpool é zoeiro demais e os vilões são o de menos.

- Humor: As piadas do Deadpool ocorrem durante todo o filme, desde a zoada cena de abertura até a divertida cena pós-créditos. São piadas tanto idiotas quanto de humor negro, mas nada tão agressivo. Pena que muitas são apenas piadas idiotas sobre pinto e bunda. Pois é. Besteirol americano ativado. O Deadpool também zoa todos, não perdoa ninguém, nem ele mesmo, nem a Fox, nem os X-Men.

- Ação: Tudo o que um filme de super-herói não costuma mostrar: Pessoas sendo estraçalhadas, decapitadas, esmagadas, etc. Tudo isso ao embalo de tanto tiroteio quanto lutas corporais.

- "Para maiores": O filme tem muitos xingamentos, muitos mesmo, o tempo todo. E de quebra ainda possui nudez, mas é bem pouco, já que a maior parte envolvendo algo a mais não aparece nada (como uma que ocorre ainda no começo).

- Referências: O que tem tanto quanto a zoeira do Deadpool? Referências, claro. São muitas, citadas durante as mais diversas piadinhas toscas. Referências a atores (inclusive do próprio Ryan e sua carreira [dentre elas os papéis esquecíveis em X-Men Origens Wolverine e Lanterna Verde]), a confusão da franquia X-Men, a Star Wars e muitas outras coisas, não só da cultura pop. Difícil lembrar agora de tudo.

- Quebra da quarta parede: Assim como nas hqs, Deadpool no filme também quebra a quarta parede. Vez ou outra ele olha pra tela no meio das cenas e conversa com o público, dizendo seus pensamentos e recomendações. Ele também sabe que está num filme.

A diversão é total, com ótimas cenas de ação e uma comédia que, apesar de sacana, consegue causar algumas risadas. A parte dramática também está presente e é boa, ocorrendo mais nos flashbacks. Falando em flashbacks, eles correm durante a primeira (e longa) cena do filme, que começa na rua e rola a perseguição de carros e o tiroteio. Nesse momento o filme faz pausas pra contar o passado do personagem. Pode parecer cansativo de primeira, mas conseguem equilibrar a comédia e o drama.

Apesar da boa diversão, senti bastante falta de algumas coisas presentes nas hqs que o filme deixou de lado, algumas que poderiam ter deixado o filme melhor:

- Vozes da mente: Os leitores de hqs do Deadpool sabem que o cara é doido e fala consigo mesmo, que por sua vez fala consigo mesmo (olha o nível). No filme não existe nada disso.

- Censura: Nas hqs Deadpool é censurado ao xingar e a nudez também não aparece (coisa bem normal nas hqs, até porque tanto adultos quanto crianças compram). Só que, mesmo não sendo tão frequente assim, Deadpool já chegou a brincar com essas censuras. No jogo, por exemplo, ele brinca com a tarja que censurou a parte de baixo dele quando ele foi no banheiro. Bem que podia ter brincadeiras com censura no filme, pelo menos no começo, só pra descontrair, mas não rolou.

- Palavreado: Nas hqs Deadpool fala besteira, mas não sai por aí falando sacanagens até não dar mais. No filme ele xinga e fica falando de pinto e bunda o tempo todo. Exagerado até demais.

- Quarta parede: Tudo bem que Deadpool fala conosco, mas senti que poderiam ter ido além. Nas hqs ele sabe que vive numa hq, mas todos pensam que ele é louco (o que não é mentira), já que pros personagens da hq aquilo é o mundo real. O filme podia adaptar isso, com o Deadpool falando que tava num filme perto dos outros e todos ficarem confusos com o que ele falou.

Claro que mudanças são inevitáveis, mas esses elementos me incomodaram. Deixei passar o fato do Deadpool não ser mercenário no filme porque é filme de vingança pessoal, então não faria sentido ele sair por aí matando por dinheiro. E como a história é boa... tá valendo.

Antes eu achava que Deadpool seria um filme de super-herói com besteirol americano, e depois de ver até que podemos considerar que é, mas em parte. Primeiro que ele não é um herói. Segundo que a gratuidade do besteirol varia com a situação presente na cena. Mesmo assim, e sem querer soar repetitivo, o filme diverte bastante em determinados momentos. É pura zoeira.

Depois da cena pós-créditos tem uma surpresa. Para os antenados em filmes, não há novidades, mas para o povão, muitos devem se surpreender.

Nota 8/10

quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

God's Gift - 14 Days (dorama) [crítica incompleta]

~Publicado originalmente em redes sociais~

God's Gift - 14 Days

Que dorama foi esse? Não conseguia parar de assistir, foi um episódio melhor que o outro. Já tinha lido ótimos comentários sobre, e mesmo assim não esperava isso tudo. Um dos melhores doramas que vi. Demorei pra ver porque não tava tão confiante na história. "Uma mulher que volta no tempo 14 dias pra impedir o assassinato de sua filha". Ok, interessante, mas não sabia se um dorama aguentava isso. Procurando saber mais, descobri as informações necessárias pra assistir de uma vez: Primeiro que a garota foi morta numa série de assassinatos. Segundo que havia outro personagem que voltava no tempo, ou seja, ele teria algo relacionado. Terceiro que tudo o que aconteceu antes da viagem no tempo acabava acontecendo de novo, por mais que tentassem impedir. Bônus: Muita ação e romance quase inexistente haha Pronto, na mesma semana já tava conferindo. E adiciono uma observação: Senti falta de trilha sonora cantada, algo muito comum em doramas. Aqui é mais trilha instrumental mesmo, muito boa por sinal. Cantada tem bem poucas cenas. Outra observação menos importante que tudo é a censura pras facas. Mostrar os caras se matando pode, mas faca não. Mas vamos aos episódios.

Os dois primeiros episódios se focam no que aconteceu desde os assassinatos das mulheres até a morte da garota. Somos apresentados aos personagens e ao contexto da história, tudo muito bem desenvolvido. São episódios trágicos, onde a desgraça acontece sem piedade. Bem forte, inclusive no encerramento. Só isso já forma um filme bastante depressivo, com início, meio e fim. Aqui vemos também o potencial dos atores, com destaque pra protagonista.

Passado a desgraça, vamos a mais. Apenas no terceiro episódio é que a mulher e o outro cara voltam no tempo. Obviamente ninguém acredita neles, mesmo com eles dizendo o que vai acontecer. A mulher percebe que tudo o que aconteceu está acontecendo de novo e tenta mudar isso, mas as coisas voltam a acontecer mesmo assim, mesmo que seja num contexto diferente. Como voltaram 14 dias, o que fazer? Simples: Tentar impedir os assassinatos. Obviamente falham e as coisas começam a ficar cada vez mais desesperadoras. Daí até mais ou menos a metade do dorama se resume a perseguições frenéticas. Gostaria de poder comentar mais sem dar spoiler, mas é impossível. Só digo que as cenas de ação são muito boas.

A metade do dorama é a mais 'fraca'. Depois de muita tensão, as coisas começam a se esfriar e, com isso, surgem cenas mais calmas. Os personagens precisam de descanso, não? Mas logo depois o dorama recupera o fôlego e rapidamente volta a mostrar seu ótimo desenvolvimento que estava tendo antes. Não estranhe se algumas coisas soarem vagas, se ideias parecerem repetitivas, porque isso realmente acontece, mas tem seus motivos. Tem até uma ironia quando a protagonista diz que nem sabe mais o que tá fazendo. Realmente, por mais que tentem impedir as coisas, mesmo que consigam mudar algo, tudo volta a acontecer como já havia acontecido, e a cada investigação as coisas parecem cada vez mais longe. Chega uma hora que não se sabe mais qual o real objetivo daquilo tudo, porque tem muita treta por baixo dos acontecimentos. Isso porque diversas tramas acabam se colidindo como uma grande rede conspiratória, onde tudo está interligado. E tudo faz sentido! Caramba!

O encerramento percebi ser polêmico, muitos gostaram, muitos não, mas tenho que dizer novamente que tudo faz sentido haha O dorama não é perfeito, mas faz o máximo possível pra manter uma boa história sem ficar enrolando o tempo todo, e também se preocupa em fechar as pontas principais. O final acaba se tornando corrido e ainda tem um final "aberto" (entre aspas porque ele finaliza a história, mas não finaliza tudo [não entrarei em detalhes]). Não gostei de terem deixado de lado o destino de alguns personagens, senti falta de uma conclusão pra eles. Sobre a conclusão do dorama e, logo, a conclusão do arco principal, que interliga todos os outros arcos, foi uma reviravolta muito inesperada, Eu realmente pensei que não fariam aquilo, que era algo impossível de acontecer. E aconteceu. Gostei do final, mas poderia ter encerrado melhor. Ainda assim tudo fez sentido, menos a viagem no tempo, mas isso se releva porque a premissa é fantasiosa mesmo. O que vale é o conteúdo.

segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

Lifi: Uma Galinha na Selva

~Publicado originalmente em redes sociais~

Lifi: Uma Galinha na Selva


Sacanagem, me disseram que era uma animação infantil, terminei com a mão na cabeça surpreso com o que ousaram mostrar :( Vendido como infantil, mas de infantil mesmo só algumas cenas, porque acontece cada coisa...

Desde a capa o longa me chamou a atenção, e realmente, o traço da animação é bem atraente. O título brasileiro é equivocado e nada chamativo, só reforça a impressão de algo infantil. Me surpreendi com tanta gente falando bem do filme e pensei "Não deve ser tão infantil assim não, tem algo nisso". Quando descobri que tinham censurado o final, o pensamento ficou mais claro ainda. Daí começo a ver e fica claro que realmente não é tão infantil assim, afinal, há mortes, há o ciclo natural da vida (um animal come o outro), tem umas poucas cenas onde mostram sangue (mas tem), até bicho cagando aparece, e já começamos vendo os ovos saindo das galinhas haha É muito difícil vermos animações infantis mostrarem essas coisas, são poucas.

A história da galinha que foge do galinheiro e adota um patinho órfão é pra cativar qualquer um, não importa a idade. Como a sinopse diz, os pais desse patinho morrem com o ataque de uma doninha, mas isso não acontece de imediato no filme, ainda tem muita coisa antes. Passado todas essas tragédias, acompanhamos o crescimento do pato e a adaptação da galinha aos novos ambientes.

Sobre a censura e o final, vou por parte. Pelo que soube a censura ocorreu em algumas mídias, mas não sei o critério usado, porque a versão que vi tinha o final original, e vi dublado mesmo. Que final forte. Não tava preparado pro que fizeram. Mesmo com tudo o que mostraram, não acreditava que realmente fariam aquilo. Voltando a censura, vi a tal versão pela internet. Tentaram deixar o ambiente mais alegre cortando toda a cena "controversa". Realmente o original é bem forte pra uma criança, mas não sei se devia haver uma censura. Sim, é pesado, pra caramba, mas faz todo sentido dentro da trama, é um encerramento perfeito pro ambiente que o filme criou.

Nota 10

terça-feira, 19 de janeiro de 2016

Assim na Terra Como no Inferno

~Publicado originalmente em redes sociais~

Quando o filme chegou por aqui, li o título "Assim na Terra Como no Inferno" e quis passar bem longe. Com esse nome e uma capa vermelha com a torre Eiffel de ponta-cabeça, parecia um filme barato de terror que serve só pra assustar. Porém acabei lendo comentários na internet de gente dizendo que o título era "sensacionalista", apelativo, feito apenas pra atrair público (ou manter longe, como foi meu caso). Só que, mesmo com isso, li comentários negativos dizendo como o filme era ruim. Logo deduzi que muitos que viam estavam "vendo o filme de forma errada" e decidi conferir. Pra começar, é um filme "câmera na mão", ou seja, já foi feito pra um público restrito. Outra é que ele não é bem um terror, e sim um suspense. Sobre o título, é apenas um trocadilho ruim, mas não foge da proposta do filme.

Sem enrolações, o filme já começa com uma arqueóloga procurando um objeto, depois se apresentando e explicando a situação pra câmera ("filmando um documentário") e logo depois já parte em busca de ajuda pra encontrar a "pedra filosofal", para assim entrar nas catacumbas parisienses onde a maior parte do filme se passa. O que já possuía um clima dinâmico antes de entrarem no subterrâneo, coisa que diversos filmes do gênero não sabem fazer e gravam meia hora de cenas desnecessárias, logo é tomado por tensão quando finalmente entram.

O que se passa nessas cavernas labirínticas é o medo. Claustrofóbico para alguns, cada vez mais os arqueólogos vão entrando na caverna. Mais e mais. Eles encontram coisas, ouvem barulhos, há um clima de terror no ar. Tudo segue de forma bem realista até certo momento, pois depois o filme começa a inserir suas "fantasias". Como não sabia muito o que esperar, pensei que o filme começaria a se perder ali, a entrar na mesmice, mas não, continuou interessante. Os acontecimentos que se seguem não entrarei em detalhes para não estragar as surpresas. A última meia hora é mais 'assustadora', é o momento que o filme já apresentou as coisas, já fez seu suspense, então tava na hora de soltar tudo e deixar o inferno rolar (desculpe o trocadilho). É tb a parte mais tensa do filme (sim, a tensão não para, aumenta cada vez mais). Gostei de ter bem poucas cenas de susto, de não ficarem forçando isso que nem muitos filmes do gênero fazem e que considero ridículo, mas ainda assim não precisava aumentar o áudio absurdamente nesses momentos Acertaram de um lado, erraram do outro. O final é agradável, só por ter fugido do clichê já valeu. Sério, o fato de terem encerrado daquele jeito foi muito gratificante. Aquela sensação de tempo perdido não existe nesse filme.

quarta-feira, 6 de janeiro de 2016

Top 30 filmes mais esperados de 2016

PASSOU DA HORA! Era pra postar a lista dos filmes mais aguardados de 2016 logo no início do ano, mas não deu. Enfim, aqui está. Lembrando que considerei apenas filmes já confirmados. E alguns filmes não estão na lista por terem sido adiados (tirei vários da lista de rascunho por conta disso). Os que estão na lista também podem ser adiados, mas até agora nada. Não levem as colocações tão a sério, depois da décima as coisas já soam meio vagas, fica difícil organizar, mas fiz o que me veio em mente. Eis a lista:

Top 30 filmes mais esperados de 2016

01 - Batman vs Superman: A Origem da Justiça
02 - Capitão América: Guerra Civil
03 - Esquadrão Suicida
04 - Doutor Estranho
05 - X-Men: Apocalipse
06 - Godzilla Resurgence
07 - Inferno
08 - Invocação do Mal 2
09 - A Quinta Onda
10 - Uma Noite de Crime 3
11 - Jumanji (remake)
12 - Assassin’s Creed
13 - Animais Fantásticos e Onde Habitam
14 - A Era do Gelo - O Big Bang
15 - Procurando Dory
16 - The Gamechangers (GTA)
17 - Invasão à Londres
18 - Truque de Mestre 2
19 - The Founder
20 - Death Note '2016'
21 - Assassination Classroom - Graduation Edition
22 - Kung Fu Panda 3
23 - Rogue One: A Star Wars Story
24 - As Caça-Fantasmas
25 - O Regresso
26 - Kubo and the Two Strings
27 - Zootopia - Essa Cidade é o Bicho
28 - Deadpool
29 - Angry Birds
30 - Carrossel 2

Menções: O Orfanato da Srta. Peregrine Para Crianças Peculiares, O Bom Dinossauro, Pets - A Vida Secreta dos Bichos, Alice Através do Espelho.

Menção especial: O Grande Mestre 3 (estreou ano passado oficialmente mas no ocidente estreia esse ano).

Top 15 melhores filmes de 2015

CHEGOU A HORA! Aqui está minha lista com os melhores filmes de 2015. Lembrando que foram considerados filmes lançados em 2015 no Brasil (e que eu tenha visto, então caso algum que "todo mundo" esteja falando não esteja na lista, é porque ou não considerei tão bom assim ou não vi mesmo). Foi difícil decidir um melhor filme, ainda mais alguns com temas tão diferentes, mas como tinha que criar colocações, saiu isso, mas deixo claro que só porque um filme está acima do outro, não necessariamente ele é "melhor", e sim que eu gostei mais. Sem mais enrolação, segue a lista:

Top 15 melhores filmes de 2015

01 - Star Wars: Episódio VII - O Despertar da Força
02 - Mad Max: Estrada da Fúria
03 - A Teoria de Tudo
04 - O Jogo da Imitação
05 - Vingadores: Era de Ultron
06 - Divertida Mente
07 - No Coração do Mar
08 - Homem-Formiga
09 - Kingsman: Serviço Secreto
10 - Whiplash - Em Busca da Perfeição
11 - Perdido em Marte
12 - Corrente do Mal
13 - Chappie
14 - Batman vs Robin
15 - Goosebumps - Monstros e Arrepios

Menções: A Travessia, Velozes e Furiosos 7, Apenas um Show - O Filme, Entre Abelhas.

Menção "trash" (zoado proposital): Sharknado 3.

[Bônus] Top 5 inéditos no Brasil:

1 - Deep Web
2 - Circle
3 - Sr Holmes
4 - Parasyte - Part 2
4 - As the Gods Will

Menções: Turbo Kid, The Final Girls.

[Complemento 2014 (filmes de 2014 que vi apenas em 2015 e que mereciam entrar na lista)]: Interestelar, O Abutre.

[Complemento 2014 inéditos no Brasil]: Samurai X - Inferno de Kyoto, Samurai X - O Fim de uma Lenda, Parasyte - Part 1.

domingo, 3 de janeiro de 2016

Star Wars - Episódio VII: O Despertar da Força

~Publicado originalmente em redes sociais~

Na minha lista dos filmes mais esperados do ano, Star Wars estava em primeiro lugar. Tinha revisto os filmes essa semana pra relembrar de algumas coisas, só aumentou a vontade de ver logo o novo. A franquia voltando para uma nova geração, com novos personagens mas com a presença de alguns personagens antigos... o que poderia dar errado? Na verdade muita coisa hehe Mas felizmente digo que o filme não é bom, é excelente. A cada cena espetacular dava pra perceber que podiam fazer algo grandioso tão bom quanto os filmes antigos. Acabou o filme e senti como se tivessem ainda na metade. Relaxem, não darei spoiler.

O filme é sim um recomeço para a série, mas toda a história permanece intacta. Dá para tantos os fãs quanto os curiosos ou modinhas verem e curtirem. Só que há um porém: É um filme que mexe diretamente com os fãs, até porque né, Han Solo e Leia velhos, Chewbacca, Millennium Falcon... até a subtrama "Onde está Luke?", tudo se remete aos filmes antigos. Em contrapartida, por mais que eles roubem as cenas, o filme é dos personagens inéditos. Ora, até o vilão é novo. Por isso dá pra todos verem, mas só os fãs é que entenderão o real sentimento daquilo.

Assim como cada trilogia seguiu um estilo diferente, esse filme seguiu o seu mas se aproximando mais da trilogia antiga. Temos a essência Star Wars, mas numa versão modernizada. Difícil explicar. A diversão tá lá, o humor, a aventura, o drama, só que ao mesmo tempo soa como algo novo. Lembrei muito do Episódio IV em alguns pontos da história e na diversão, mas também do Episódio V nos momentos de seriedade.

A cena inicial é incrível, o que o vilão faz já deixa a expectativa passar dos limites. As cenas com sabre de luz também são um show a parte, todas ótimas. E, claro, as cenas com Han Solo e Chewbacca impactantes. Falando nos personagens, os antigos não tem muito o que esperar porque todo mundo já conhece, eles só tão mais velhos. Agora os novos são novidade (dã). Pra falar a verdade, o filme se foca mesmo nos dois novos protagonistas e no vilão, porque de resto, alguns tem seus momentos, outros chegam a aparecer mas não há desenvolvimento, o que acredito eu ser proposital, já que ainda teremos outros filmes nos próximos anos.

Mas então, eles são bons? Pros novos protagonistas, não revelarei nada porque tudo será spoiler, então só digo pra se prepararem pra surpresas. O robôzinho conquista o coração. Agora o vilão, muitos já viram ele sem máscara e sabem que não bota medo, mas com máscara tem moral. O cara dá ataque quando fica irritado. Pra mim isso foi curioso, porque ele é poderoso demais, mas sua fisionomia e atitudes o tornam uma piada, mas ao mesmo tempo as pessoas o temem porque se ele der ataque, ou ele comete as bobeiras dele (que podem envolver essas pessoas no meio) ou ele faz algo pra deixar marcado.

É isso. Evito falar mais (dava pra escrever um livro sobre rs) porque considero legal ver esse filme sabendo de poucas coisas, não muito além do que é mostrado nos trailers. Só aviso pra prepararem seus corações, até pra quem tá esperando certos acontecimentos, porque é sinistro, muito sinistro. Mas a pergunta que não quer calar: O que foi que aconteceu com o Jar Jar? Brincadeira (mentira, é sério, quero saber), a pergunta mesmo é: O que será que a franquia está nos escondendo? Por que sinto que terá revelações maiores futuramente. Ainda há muito o que contar sobre esses novos personagens. Sobre a colocação desse filme na franquia, ainda tenho minhas dúvidas, mas só deve perder mesmo pro Episódio V, talvez pro IV também, não sei, é algo que tentarei resolver futuramente. Não que isso importe, porque o filme é ótimo de qualquer jeito.

[Obs.: 3D bem legal em alguns momentos]

Nota 10

SOBRE MIM

Minha foto
Em 2008 criei um blog por experiência. Queria saber como era um blog. Inicialmente era apenas para reunir o que eu achava de legal pela internet. Dois anos depois, em 2010, criei meu blog com críticas de filmes, já que, embora eu não seja experiente nesse ramo, gosto de ver filmes, de entendê-los e tal. Em 2014 vieram as mudanças. O blog que reunia o melhor da internet virou um blog de matérias e histórias que eu mesmo escrevo. O blog que continha críticas de filmes, séries, curtas, shows, etc, agora são apenas filmes e séries devido a enorme demanda de conteúdo. Os modos de escrita também estão mudando para melhor. Fiquem ligados para novidades.