segunda-feira, 16 de junho de 2014

Ra.One


Comecei vendo com a expectativa de que seria bonzinho, mas me surpreendi... por um tempo. Ra.One conta a história de uma família onde o pai trabalha criando jogos e o filho é fã de vilões e odeia heróis. O filho dá ideia pro pai de criar um vilão e o pai, pra agradar, cria o vilão invencível, mais forte que o herói. O jogo conta com movimento: O jogador veste um equipamento e controla o personagem virtual. O vilão tem inteligência artificial, escolhendo suas falas e movimentos. Obviamente algo de ruim acontece: O vilão começa a controlar as máquinas e sai do jogo. Daí acontece o momento marcante do filme, que muda tudo.

A primeira hora do filme é boa, melhor que o resto do filme na verdade. Começa leve, mas vai melhorando e ficando interessante. As coisas soam com naturalidade na maior parte do tempo, não há pressa de mostrar logo os momentos climax de cada parte. Tem uns alívios cômicos que não ajudam mas tb não atrapalham.

O problema é que depois do filme se "montar", quando a história tá toda preparada pra desenvolver as consequências, a qualidade cai. O primeiro encontro do vilão e do herói no mundo real é cansativo e possui um humor infantil que não tem graça. Rola até crossover com um personagem de algum outro filme, mas soa bem sem sentido, estragando um pouco da história, por mais que a ideia tenha sido boa, acho, para os indianos.

De qualquer forma, o filme se recupera mas aumenta o humor e diminui o drama. O que antes era equilibrado, com seus momentos sérios e relaxados, vira algo mais divertido e humorado, sobrando pra última hora do filme tentar recuperar a essência inicial, e até consegue, em parte. Tem umas coisas desnecessárias, como o final, mas, em resumo, é decente. Só acho que o filme não aproveitou todo o potencial que tinha, não se aprofunda no conteúdo oferecido. Tentou equilibrar o drama e o humor mas nem todas as vezes deu certo.

Nota 7

Nenhum comentário:

Postar um comentário

SOBRE MIM

Minha foto
Formado em jornalismo e futuro escritor de livros. Criei um blog em 2008 por curiosidade para reunir o que achava de melhor na internet. Em 2010 criei outro blog para críticas de filmes e afins. Buscando apresentar uma identidade mais pessoal, em 2014 reformulei ambos. Hoje servem mais como meios de divulgação para matérias que publico em outros sites.