domingo, 28 de dezembro de 2014

Em Algum Lugar do Passado (livro)



Em Algum Lugar do Passado

Ótimo livro. Tem seus altos e baixos, mas a escrita é sensacional e mesmo sendo muito detalhada em alguns momentos, acaba se tornando bom de ler, inclusive para quem não curte muitos detalhes, como eu.

O livro tem textos de introdução e encerramento nas palavras do irmão do personagem que narra os fatos. O autor cria uma espécie de ficção com sensação de realidade. O irmão então explica quem foi seu irmão (o protagonista) e diz que decidiu lançar seu diário, editando algumas partes. Daí começa a história, sobre um dramaturgo com pouco tempo de vida que decide aproveitar a vida antes de morrer. Numa de suas hospedagens em hotéis, ele acaba se apaixonando pela fotografia de uma atriz pendurada na parede. Ele então começa a procurar sobre ela até ficar paranoico, querendo voltar no tempo e encontrando supostas provas que confirmavam que ele havia voltado no tempo. E consegue. Seu objetivo, além de conquistar a mulher que ama, é mudar o futuro dela, terrível e macabro.

Os momentos são únicos. A história não vai logo pro passado, tem coisa pra acontecer antes. Primeiro Richard precisa arranjar um meio de voltar no tempo, depois fazer testes e assim tentar voltar. A cada momentos vamos acompanhado os passos do dramaturgo, cada vez mais fanático e doente por um amor 'impossível'. Depois de tudo resolvido, Richard volta pro passado completamente. Parte do livro já se foi, mas ainda há muito conteúdo pela frente. E é maravilhoso. Ele tenta de tudo pra conquistar sua amada, Elise, que nem o conhece. Ela começa a achá-lo estranho, sua mãe não gosta dele e um homem que cuida da carreira da atriz tb não. As coisas começam a sair do controle, mas Richard é perseverante e continua tentando. Acompanhamos os momentos de romance e os feitos de Richard pra continuar naquele local, escondendo ao máximo de onde veio e enfrentando problemas da época. Qualquer coisa pode acabar fazendo com que ele volte pro seu tempo de origem, o que ele não quer.

Apesar de algumas cenas de melodrama, a maioria é tranquila, dá pra deixar passar e até se envolver. Mas o livro não é feito apenas disso. Richard tem uma vida e tem que aprender a viver naquele local. Momentos de tensão tb estão inclusos. Pela história se passar em poucos dias, soa como justificável a ausência de desenvolvimento de alguns elementos que a história inclusive chega a citar.

Dentre toda a maravilha do livro, uma história mágica que prende a atenção em sua maior parte do tempo, há algumas falhas que, apesar de falhas, não atrapalham muito na história. Uma são a minoria das cenas com melodrama, que soam enroladas, e outra é o fato da história ser escrita como diário, sendo que em diversos momentos parece um livro redigido e pensado. Embora o livro mesmo tente resolver esses pontos usando desculpas aceitáveis, é algo que deve ser citado.

Em relação ao filme, o livro é melhor, mas o filme ainda assim é excelente. As mudanças funcionam e a história não perde toda sua essência, com momentos fiéis até. Muda mais esse contexto do irmão do protagonista (que não tem no filme) e as dúvidas sobre o cara ter voltado ou não no tempo. No livro isso é mais abrangente, já no filme não. O paradoxo do relógio não existe no livro, mas gostei disso no filme. Os finais são semelhantes, mas o livro conta coisas que aconteceram no fim que o filme não conta. Recomendo tanto o livro quanto o filme. É uma daquelas obras tão marcantes que a gente confere e nunca mais esquece.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

SOBRE MIM

Minha foto
Formado em jornalismo e futuro escritor de livros. Criei um blog em 2008 por curiosidade para reunir o que achava de melhor na internet. Em 2010 criei outro blog para críticas de filmes e afins. Buscando apresentar uma identidade mais pessoal, em 2014 reformulei ambos. Hoje servem mais como meios de divulgação para matérias que publico em outros sites.