segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

[KOKYO] Gantz - Perfect Answer



Gantz - Perfect Answer

Atenção: Tudo o que você precisava saber sobre Gantz já foi dito na análise do primeiro filme, então, caso não tenha lido, leia antes de ler esse. Melhor, leia e veja o filme antes de ler e ver esse, já que há fortes spoilers do final do primeiro (é uma continuação direta, tanto que o primeiro termina com um claro “continua” na tela). Explicado isso, vamos prosseguir.

De início, o filme recapitula todos os acontecimentos do primeiro filme e ainda repete a cena que ocorre durante os créditos. Depois de relembrado, é hora do filme começar, 5 meses após o final do primeiro. Somos apresentados a Ayukawa Eriko (interpretada por Ayumi Ito), que recebe uma pequena esfera negra semelhante ao Gantz. A esfera a manda matar certas pessoas, em busca de quatro chaves. Enquanto isso, o policial/detetive apresentado na cena durante os créditos do primeiro filme, começa a investigar misteriosos acontecimentos e descobre que há algo maior por trás de tudo. E enquanto isso também se desenrola, Kurono Kei, os sobreviventes e mais alguns personagens novos continuam sua missão de conseguir 100 pontos. Kurono tem o objetivo de trazer todos os que morreram de volta a vida, e os outros meio que acabam ‘concordando’ com ele. Durante o filme acompanhamos a garota matando quem Gantz manda, o detetive querendo saber o que é Gantz e se existe mesmo uma tal sala com uma esfera negra e Kurono e sua equipe matando aliens e... Não, não é bem assim. E aí entra o ponto da história: Gantz está com problemas. Logo na primeira missão, os personagens são mandados para dentro de um trem, e Gantz está tendo dificuldade de manter eles invisíveis. O que se segue é um massacre, com muita ação e violência.

O segundo filme, que tem o objetivo de responder a todas as perguntas, acaba não respondendo quase nada, mas acrescenta conteúdo para por um fim aquilo tudo, e como conseguem, dá para deixar passar, mesmo que a resposta não seja satisfatória. Como disse na análise do primeiro filme, é aquilo e pronto, as coisas 'acontecem e acontecem'. Obviamente ele explica quem é a garota que tem uma miniatura do Gantz, quem são os personagens misteriosos, quem são os aliens e também quem é o tal Kato que voltou a vida, já que Gantz afirma que ele está morto. Enquanto o primeiro filme possui menos de duras horas, o segundo chega a quase duas horas e meia.

O filme é como uma longa cena de ação, dividida em momentos. Após a desastrosa missão, com Gantz apresentando falhas, ele simplesmente dá pane e manda uma última missão, que se segue até o fim do filme. A vítima dessa vez é alguém ‘importante’, o que leva a divisão da equipe e resulta numa perseguição mortal, onde, enquanto uns não querem de jeito nenhum matar essa pessoa, outras não tão nem aí. A recompensa de Gantz são todos os pontos dele.

Mesmo com uma duração maior, Gantz 2 não apresenta com satisfação os novos personagens, independente deles serem importantes ou não. A misteriosa garota e o passado dos misteriosos personagens são apenas citados, mas tudo é aceitado de forma tão natural que soa forçado (sinta-se a vontade para dizer o que eu disse anteriormente: "é aquilo e pronto, 'aconteceu, aconteceu'"). Além, o detetive que está investigando o caso, mesmo com seus momentos, não é relevante para a trama. Por ser um bom personagem, acaba ganhando certa relevância para quem assiste, mas para a história em si, foi só um personagem de uma subtrama para mostrar outras coisas além das cenas de ação e do cotidiano de Kurono Kei, Tae Kojima e o irmão de Kato, que tem uma participação maior que no primeiro filme.

Nos quesitos de efeitos, atuações e trilha sonora, continuam a mesma coisa que o anterior. A trilha é aceitável e novamente tem momentos com o som natural, os efeitos são agradáveis e as atuações tem umas boas e outras ruins ou medianas, não há muita diferença nem há evolução ou involução. O que vale citar em relação aos efeitos é: Todo um cuidado foi tomado para que nada parecesse tosco. Não que o primeiro não teve cenas que poderiam ter ficado 'zoadas', pelo contrário, teve mais que o segundo, porém o segundo teve toda uma cena que não ficaria muito bom com atores reais, que envolve correr em alta velocidade e dar pulos imensos. Mas conseguiram fazer algo na média.

Por mais que as cenas de ação sejam tão boas quanto as do primeiro filme, algumas cenas que duram mais que o necessário e a duração do filme como um todo pode se tornar um tanto cansativo. Não a ponto de querer pular a cena, mas com aquela sensação de que poderia ter sido menor. E sem dúvida a cena que mais sofre com isso é a posterior a última missão, a cena decisiva, que se divide entre momentos conturbados e monótonos.

Gantz – Perfect Answer não dá a resposta perfeita e nem supera seu antecessor, mas ainda assim é tão bom quanto. O filme foi bastante arriscado, já que deixaram a história do mangá de lado, buscando apenas alguns personagens e elementos, para dar um fim a tudo. E conseguiram. Gostaria que houvesse um terceiro filme, e não falo do paralelo e não muito bem recebido Another Gantz, mas de uma continuação mesmo. Mas se tivesse, o estilo seria completamente diferente, talvez não rendesse e poderia desagradar dependendo de como seguissem com a história. De qualquer forma, esse segundo filme encerrou o que começou muito antes do primeiro filme. Destaque para a cena do trem.

Nota: 9/10

~Crítica originalmente publicada no portal Kokyo em 8 de setembro de 2014~

Nenhum comentário:

Postar um comentário

SOBRE MIM

Minha foto
Em 2008 criei um blog por experiência. Queria saber como era um blog. Inicialmente era apenas para reunir o que eu achava de legal pela internet. Dois anos depois, em 2010, criei meu blog com críticas de filmes, já que, embora eu não seja experiente nesse ramo, gosto de ver filmes, de entendê-los e tal. Em 2014 vieram as mudanças. O blog que reunia o melhor da internet virou um blog de matérias e histórias que eu mesmo escrevo. O blog que continha críticas de filmes, séries, curtas, shows, etc, agora são apenas filmes e séries devido a enorme demanda de conteúdo. Os modos de escrita também estão mudando para melhor. Fiquem ligados para novidades.