segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

Videogames - O Filme



Videogames - O Filme

Essa é uma crítica que mistura comentário e análise de forma mais descontraída, mas acho que condiz com a situação do que foi visto e relatado aqui (quando lerem, entenderão). Bom proveito.

Por onde começar? 'Video Games - The Movie' É bom. Poderia ser melhor mas é bom. Tem um nome tão definitivo que você já vê pensando "esse não vai ser apenas um documentário qualquer, esse vai ser o documentário". Como eu estava enganado...

O documentário começa com um minuto de rápidas cenas de jogos antigos dividindo a tela, depois temos uma introdução sobre a origem dos videogames e vem uma abertura empolgante ao som de Don't Stop Me Now, do Queen, enquanto passa cenas de jogos. É incrível.

Nos primeiros minutos, o documentário apresenta um visual atrativo e não se prende apenas a pessoas falando, além de imagens e vídeos. Há momentos de áudio com textos interativos, o que é ótimo pra trazer um diferencial e chamar a atenção. Nesse quesito acertaram em cheio.

A primeira parte fala sobre a origem e a evolução do videogame, citando grandes nomes e perguntando as pessoas quem elas achavam que era o pai do videogame. Por um lado é curioso, saber o que as pessoas acham e tal, por outro um tanto desnecessário, faz parecer aquelas matérias de jornais descontraídas (não que não seja bom, mas não me pareceu adequado aqui). Embora tenha faltado informações, essa parte  resume o tema e traz curiosidades e opiniões para aumentar o conhecimento no assunto.

Depois de terminado esse bloco, entramos no quesito de evolução gráfica, onde o documentário cita a queda e ascensão do ramo, como o jogo ET arruinou tudo, como Super Mario Bros revolucionou os jogos, etc. Tem um momento também que falam sobre a polêmica dos games, que foram acusados de incentivar a violência, mas não entram muito no assunto, é só uma citação. Falando em citação, esse é um ponto crucial, que falarei mais pra frente.

Pessoas importantes no universo dos games também contribuem com opiniões e histórias durante o documentário, seja da Nintendo, da Sony, da Microsoft, etc, o que melhora e dá mais crédito ao que está sendo mostrado. Confesso que não esperava ver alguns deles. Aqui vislumbramos o potencial que o documentário poderia ter.

Um problema que o documentário sofre é sair do lugar mas voltar atrás o tempo todo em algo que beira a chatice: falar bem dos games. Isso ocupa longos minutos aqui e ali, minutos esses que poderiam ser usados para falar de outros assuntos no mundo dos videogames. Outro problema é a falta de conteúdo em determinados momentos, geralmente fazendo uma citação rápida, como falei antes, ou simplesmente mostrando em imagens ou vídeos enquanto o narrador ou o entrevistador fala. Ou seja, se a pessoa que estiver vendo não souber do assunto, vai ver a imagem como se fosse qualquer outra imagem pra ilustrar a paisagem, mas em algumas ocasiões essa tal imagem traz um conteúdo importante que infelizmente acaba passando despercebido, às vezes importante até demais, que simplesmente é ignorado.

De qualquer forma, tá aí um documentário pros gamers. Senti que funcionaria melhor como um seriado, como A Era do Videogame fez, do Discovery Channel (quem sabe eu fale aqui futuramente sobre ele?). Ficou muita coisa resumida, e a divisão de conteúdos não é nem um pouco agradável, contando do início até os dias atuais, depois voltando pro início e novamente avançando até os dias atuais, mas também contando um momento da história, depois um anterior, depois um posterior mas posterior ao anterior contado, e por aí vai. É um vai e vem na história que poderia ser muito bem evitado. Até entendo a divisão por temas, e isso seria interessante se bem utilizado, mas nem isso acontece. Destaque mesmo pra variedade de entrevistados, pra dinâmica envolvente, pro visual e pra trilha sonora que tenta dar uma animada. Nessa parte a equipe responsável pelo documentário está de parabéns, só faltou mesmo conteúdo. Gostaria que fosse feito uma continuação abordando o que foi deixado de fora, ou que até mesmo esse documentário virasse uma série.

Nota: 5/10

~Crítica originalmente publicada no portal Kokyo em 14 de outubro de 2014~

Nenhum comentário:

Postar um comentário

SOBRE MIM

Minha foto
Em 2008 criei um blog por experiência. Queria saber como era um blog. Inicialmente era apenas para reunir o que eu achava de legal pela internet. Dois anos depois, em 2010, criei meu blog com críticas de filmes, já que, embora eu não seja experiente nesse ramo, gosto de ver filmes, de entendê-los e tal. Em 2014 vieram as mudanças. O blog que reunia o melhor da internet virou um blog de matérias e histórias que eu mesmo escrevo. O blog que continha críticas de filmes, séries, curtas, shows, etc, agora são apenas filmes e séries devido a enorme demanda de conteúdo. Os modos de escrita também estão mudando para melhor. Fiquem ligados para novidades.