sábado, 13 de fevereiro de 2016

Deadpool

~Publicado originalmente em redes sociais~



Deadpool

O amado e odiado personagem dos quadrinhos que se metia em histórias escritas a base de misturas potentes de drogas elevado ao infinito finalmente ganhou um filme. Apesar do medo, muitos acabaram elogiando o longa, alguns até disseram ser o melhor ou dos melhores filmes de "super-herói" de todos. Exagero demais, eu sei. Mas então, o filme é bom? É. Muito bom mesmo? Não. Na verdade nem chega perto de ser toda essa maravilha grandiosa extraordinária que andam comentando por aí. Mas calma, o filme é muito divertido. Vamos por parte.

Antes de falar do filme, tenho que falar do material de divulgação. Primeiro veio aquele vídeo divertido que fez o filme acontecer, até aí tudo bem. As propagandas em imagens também foram ótimas. Mas meu ponto são os trailers. Não entendi quanta empolgação a internet ficou com eles. Pra mim são trailers chatos, ruins mesmo, o filme parecia uma bosta. No primeiro só tinha sacanagem e nada mais. No segundo só umas cenas genéricas de ação. Podem reclamar, mas Deadpool não é só isso. Ele é pura zoeira, mas não pura sacanagem. Minha expectativa diminuiu drasticamente e nem as boas notas conseguiram me empolgar, mas caramba, é Deadpool, ia ver de qualquer jeito. E fui. Cinema lotado, consegui pra sessão posterior, mas vi o filme. E aqui, sem mais enrolações, começo a falar do filme. Dessa vez considerei melhor dividir em tópicos.

- História: Aceitável. Não há segredos na simples história cinematográfica de Deadpool, um filme de origem com uma trama romântica envolvendo drama, ação e... "sacanagens". Wilson é o cara zoeiro que descobre ter câncer, acaba fazendo parte de um experimento cruel, vira o Deadpool e decide se vingar. Ponto.

- Personagens: São normais, nenhum realmente marcante, mas todos cumprem seus papéis. Os mutantes são ok (dos X-Men tem o Colossus e a outra de "nome maneiro"), o Deadpool é zoeiro demais e os vilões são o de menos.

- Humor: As piadas do Deadpool ocorrem durante todo o filme, desde a zoada cena de abertura até a divertida cena pós-créditos. São piadas tanto idiotas quanto de humor negro, mas nada tão agressivo. Pena que muitas são apenas piadas idiotas sobre pinto e bunda. Pois é. Besteirol americano ativado. O Deadpool também zoa todos, não perdoa ninguém, nem ele mesmo, nem a Fox, nem os X-Men.

- Ação: Tudo o que um filme de super-herói não costuma mostrar: Pessoas sendo estraçalhadas, decapitadas, esmagadas, etc. Tudo isso ao embalo de tanto tiroteio quanto lutas corporais.

- "Para maiores": O filme tem muitos xingamentos, muitos mesmo, o tempo todo. E de quebra ainda possui nudez, mas é bem pouco, já que a maior parte envolvendo algo a mais não aparece nada (como uma que ocorre ainda no começo).

- Referências: O que tem tanto quanto a zoeira do Deadpool? Referências, claro. São muitas, citadas durante as mais diversas piadinhas toscas. Referências a atores (inclusive do próprio Ryan e sua carreira [dentre elas os papéis esquecíveis em X-Men Origens Wolverine e Lanterna Verde]), a confusão da franquia X-Men, a Star Wars e muitas outras coisas, não só da cultura pop. Difícil lembrar agora de tudo.

- Quebra da quarta parede: Assim como nas hqs, Deadpool no filme também quebra a quarta parede. Vez ou outra ele olha pra tela no meio das cenas e conversa com o público, dizendo seus pensamentos e recomendações. Ele também sabe que está num filme.

A diversão é total, com ótimas cenas de ação e uma comédia que, apesar de sacana, consegue causar algumas risadas. A parte dramática também está presente e é boa, ocorrendo mais nos flashbacks. Falando em flashbacks, eles correm durante a primeira (e longa) cena do filme, que começa na rua e rola a perseguição de carros e o tiroteio. Nesse momento o filme faz pausas pra contar o passado do personagem. Pode parecer cansativo de primeira, mas conseguem equilibrar a comédia e o drama.

Apesar da boa diversão, senti bastante falta de algumas coisas presentes nas hqs que o filme deixou de lado, algumas que poderiam ter deixado o filme melhor:

- Vozes da mente: Os leitores de hqs do Deadpool sabem que o cara é doido e fala consigo mesmo, que por sua vez fala consigo mesmo (olha o nível). No filme não existe nada disso.

- Censura: Nas hqs Deadpool é censurado ao xingar e a nudez também não aparece (coisa bem normal nas hqs, até porque tanto adultos quanto crianças compram). Só que, mesmo não sendo tão frequente assim, Deadpool já chegou a brincar com essas censuras. No jogo, por exemplo, ele brinca com a tarja que censurou a parte de baixo dele quando ele foi no banheiro. Bem que podia ter brincadeiras com censura no filme, pelo menos no começo, só pra descontrair, mas não rolou.

- Palavreado: Nas hqs Deadpool fala besteira, mas não sai por aí falando sacanagens até não dar mais. No filme ele xinga e fica falando de pinto e bunda o tempo todo. Exagerado até demais.

- Quarta parede: Tudo bem que Deadpool fala conosco, mas senti que poderiam ter ido além. Nas hqs ele sabe que vive numa hq, mas todos pensam que ele é louco (o que não é mentira), já que pros personagens da hq aquilo é o mundo real. O filme podia adaptar isso, com o Deadpool falando que tava num filme perto dos outros e todos ficarem confusos com o que ele falou.

Claro que mudanças são inevitáveis, mas esses elementos me incomodaram. Deixei passar o fato do Deadpool não ser mercenário no filme porque é filme de vingança pessoal, então não faria sentido ele sair por aí matando por dinheiro. E como a história é boa... tá valendo.

Antes eu achava que Deadpool seria um filme de super-herói com besteirol americano, e depois de ver até que podemos considerar que é, mas em parte. Primeiro que ele não é um herói. Segundo que a gratuidade do besteirol varia com a situação presente na cena. Mesmo assim, e sem querer soar repetitivo, o filme diverte bastante em determinados momentos. É pura zoeira.

Depois da cena pós-créditos tem uma surpresa. Para os antenados em filmes, não há novidades, mas para o povão, muitos devem se surpreender.

Nota 8/10

Nenhum comentário:

Postar um comentário

SOBRE MIM

Minha foto
Em 2008 criei um blog por experiência. Queria saber como era um blog. Inicialmente era apenas para reunir o que eu achava de legal pela internet. Dois anos depois, em 2010, criei meu blog com críticas de filmes, já que, embora eu não seja experiente nesse ramo, gosto de ver filmes, de entendê-los e tal. Em 2014 vieram as mudanças. O blog que reunia o melhor da internet virou um blog de matérias e histórias que eu mesmo escrevo. O blog que continha críticas de filmes, séries, curtas, shows, etc, agora são apenas filmes e séries devido a enorme demanda de conteúdo. Os modos de escrita também estão mudando para melhor. Fiquem ligados para novidades.