domingo, 31 de dezembro de 2017

Os melhores e piores filmes de 2017 (por mim)

Listas pessoais. Considerados nas colocações principais apenas lançados no Brasil em 2017. A ordem dos filmes é apenas para a formação da lista, então não levem ao literal.

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

- Os 20 melhores filmes de 2017 (por mim):

01 - LEGO Batman: O Filme
02 - La La Land: Cantando Estações
03 - It - A Coisa
04 - O Motorista de Táxi
05 - Dunkirk
06 - A Ghost Story
07 - Pandora
08 - Star Wars: Os Últimos Jedi
09 - Blade Runner 2049
10 - Fome de Poder
11 - Vida
12 - Jovens Titãs: O Contrato de Judas
13 - Death Note: Iluminando um Novo Mundo
14 - Okja
15 - Logan
16 - Corra!
17 - Mãe!
18 - O Túnel
19 - Carros 3
20 - Bingo: O Rei das Manhãs

Menção inédito no Brasil 1: Memória de um Assassino
Menção inédito no Brasil 2: Cidade Fabricada

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

- Os 10 piores (ou mais fracos) filmes de 2017 (por mim):

01 - Internet: O Filme
02 - Como se Tornar o Pior Aluno da Escola
03 - Death Note
04 - Resident Evil 6 - O Capítulo Final
05 - Transformers: O Último Cavaleiro
06 - Tom & Jerry: A Fantástica Fábrica de Chocolate
07 - 7 Desejos
08 - Gosto Se Discute
09 - Alien: Covenant
10 - Annabelle 2: A Criação do Mal

Menção inédito no Brasil: Real.

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

quinta-feira, 28 de dezembro de 2017

[RASCUNHO] A Ghost Story

~ Publicado originalmente em redes sociais~
~ Entende-se por rascunho uma opinião não tão elaborada para se tornar crítica ~

A Ghost Story

A solidão personificada num fantasma. Que filme! 90 minutos de forte vazio existencial. A infecção cult percorre meus sentidos. Tava curioso quanto a proposta, mas já sabia que era um filme parado, então tinha que estar no clima pra assistir.

Nos primeiros minutos confesso que não me prendeu tanto e até pensei em continuar depois. São os momentos mais "cansativos", por assim dizer. Cheguei a pausar, mas pouco depois voltei. A curiosidade falava mais alto. Eu estava envolvido com a trama. Eu entendia o que queriam passar.

Esses momentos iniciais pós-morte tem uma mensagem clara do luto, da solidão, do período de sofrimento de quem tá vivo após um ente querido partir. Sem grandiosidades, apenas a simplicidade do silêncio e da perda.

Posteriormente o filme começa a se desenvolver mais. Mantendo ainda o ritmo lento, a história começa a avançar, a acompanhar o fantasma ao longo do tempo, enquanto o mundo continua a girar e sua mulher a seguir com a vida. E ele sempre acompanhando tudo. Sozinho. Sem ninguém notar sua presença. O que outrora foi uma pessoa, agora está apenas nas memórias de quem se lembra dele.

Mas isso é apenas uma parte de toda a trama do longa. Muitas coisas acontecem nessas uma hora e meia. O clima vai ficando mais envolvente e misterioso. A curiosidade de saber o que acontecerá vai aumentando. Tudo se tornando cada vez mais interessante... até que chega o momento de encerrar a jornada, com um final complexo e curioso. É um filme profundo, reflexivo.

Os melhores e piores filmes de 2012 a 2016 (por mim)

~publicado anteriormente nas redes sociais~

As listas representam meus gostos entre 2012 e 2016, postadas em seus respectivos anos. Lembrando que é considerado na lista principal apenas filmes lançados no Brasil naquele ano. Antes que me critiquem, devo dizer que atualmente discordo de algumas escolhas que fiz, seja por eu mudar de opinião, seja por eu ter visto outros filmes que mereciam estar na lista mais do que alguns dos listados. Mas enfim. Passado é passado. Segue:

- Os 10 melhores de 2012:

01 - Batman - O Cavaleiro das Trevas Ressurge
02 - Os Vingadores
03 - As Aventuras de Tintim
04 - Poder Sem Limites
05 - A Invenção de Hugo Cabret
06 - Batman - O Cavaleiro das Trevas - Parte 1
07 - Superman Contra a Elite
08 - Frankenweenie
09 - Ruby Sparks - A Namorada Perfeita
10 - Procura-se um Amigo Para o Fim do Mundo

Menção relançamento: Titanic 3D

Menção inédito no Brasil 1: Phoenix Wright
Menção inédito no Brasil 2: Bait

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

- Os 10 melhores de 2013:

01 - Batman - O Cavaleiro das Trevas - Parte 2
02 - Gravidade
03 - Os Suspeitos
04 - Capitão Phillips
05 - Os Miseráveis
06 - Círculo de Fogo
07 - O Homem de Aço
08 - Jogos Vorazes - Em Chamas
09 - Guerra Mundial Z
10 - Kick-Ass 2

- Os 10 piores de 2013:

01 - 30 Noites de Atividade Paranormal com a Filha dos Homens que Não Amavam as Mulheres
02 - Depois da Terra
03 - Para Maiores
04 - Todo Mundo em Pânico 5
05 - Gummy Bear - Gummy Em Busca do Papai Noel
06 - Spring Breakers - Garotas Perigosas
07 - Dezesseis Luas
08 - Temporada de Caça
09 - Oblivion
10 - O Lado Bom da Vida

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

- Os 20 melhores de 2014:

01 - Operação Invasão 2
02 - Guardiões da Galáxia
03 - Uma Aventura Lego
04 - Como Treinar o Seu Dragão 2
05 - Batman: Ataque ao Arkham
06 - Mesmo se Nada der Certo
07 - Planeta dos Macacos: O Confronto
08 - Boyhood - Da Infância à Juventude
09 - Capitão América 2: O Soldado Invernal
10 - Big Hero 6
11 - Frozen
12 - 7 Caixas
13 - Maze Runner - Correr ou Morrer
14 - Phineas e Ferb: Star Wars
15 - Jogos Vorazes - A Esperança - Parte 1
16 - 300: A Ascensão do Império
17 - Sem Escalas
18 - Vidas ao Vento
19 - O Espetacular Homem-Aranha 2: A Ameaça de Electro
20 - As Aventuras de Peabody e Sherman

Menção inédito no Brasil 1: Minúsculos - O Filme
Menção inédito no Brasil 2: Expresso do Amanhã
Menção inédito no Brasil 3: The Babadook

- Os 5 piores de 2014:

01 - Se Beber, Não Entre no jogo
02 - Sharknado 2
03 - Cavaleiro das Trevas
04 - Fúria
05 - Caminhando com Dinossauros

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

- Os 15 melhores de 2015:

01 - Star Wars: Episódio VII - O Despertar da Força
02 - Mad Max: Estrada da Fúria
03 - A Teoria de Tudo
04 - O Jogo da Imitação
05 - Vingadores: Era de Ultron
06 - Divertida Mente
07 - No Coração do Mar
08 - Homem-Formiga
09 - Kingsman: Serviço Secreto
10 - Whiplash - Em Busca da Perfeição
11 - Perdido em Marte
12 - Corrente do Mal
13 - Chappie
14 - Batman vs Robin
15 - Goosebumps - Monstros e Arrepios

Menção trash: Sharknado 3

Menção inédito no Brasil 1: Deep Web
Menção inédito no Brasil 2: Circle
Menção inédito no Brasil 3: Sr Holmes
Menção inédito no Brasil 4: Parasyte - Part 2
Menção inédito no Brasil 5: As the Gods Will

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

Os 25 melhores filmes de 2016:

01 - Batman vs Superman: A Origem da Justiça - Versão Estendida
02 - Spotlight - Segredos Revelados
03 - Invasão Zumbi
04 - Capitão América: Guerra Civil
05 - Kubo e as Cordas Mágicas
06 - O Bom Dinossauro
07 - Procurando Dory
08 - Seremos História?
09 - Zootopia - Essa Cidade é o Bicho
10 - O Homem nas Trevas
11 - Os Oito Odiados
12 - O Grande Mestre 3
13 - Doutor Estranho
14 - Rua Cloverfield, 10
15 - Invocação do Mal 2
16 - Kingsglaive: Final Fantasy XV
17 - Animais Fantásticos e Onde Habitam
18 - Warcraft: O Primeiro Encontro de Dois Mundos
19 - Rogue One: Uma História Star Wars
20 - O Lar das Crianças Peculiares
21 - Águas Rasas
22 - Deadpool
23 - Star Trek: Sem Fronteiras
24 - Caça-Fantasmas
25 - Lego Scooby-Doo! Hollywood Assombrada

Menção trash: Sharknado 4

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

Os filmes mais esperados de 2012 a 2016 (por mim)

~publicado parcialmente em redes sociais~

As listas representam meus gostos entre 2012 e 2016, postadas em seus respectivos anos. Tiveram filmes que acabaram sendo adiados depois de eu ter feito a lista. Alguns filmes nem sei o que tive na cabeça pra colocar na lista. Mas enfim. Passado é passado. Segue:

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

Os 10 mais esperados da segunda metade de 2012:

01 - Batman - O Cavaleiro das Trevas Ressurge
02 - Resident Evil 5: Retribuição 3D
03 - Frankenweenie
04 - 007 - Operação Skyfall
05 - Diário de um Banana 3 - Dias de Cão
06 - O Hobbit: Uma Jornada Inesperada
07 - O Impossível
08 - Terror em Silent Hill: Revelação 3D
09 - ParaNorman
10 - Hotel Transilvânia

- Menção dúvida em relação a data: 31 Minutos - O Filme

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

Os 10 mais esperados da segunda metade de 2013:

01 - Superman: O Homem de Aço
02 - Círculo de Fogo
03 - O Hobbit: A Desolação de Smaug
04 - Kick-Ass 2
05 - Oldboy
06 - Além da Escuridão: Star Trek
07 - O Símbolo Perdido
08 - Jogos Vorazes: Em Chamas
09 - Carrie - A Estranha
10 - Meu Malvado Favorito 2

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

Os 25 mais esperados de 2014:

01 - Godzilla
02 - Planeta dos Macacos 2: O Despertar
03 - X-Men: Dias de um Futuro Esquecido
04 - O Espetacular Homem-Aranha 2: A Ameaça de Electro
05 - Capitão América 2: O Soldado Invernal
06 - O Hobbit: Lá e de Volta Outra Vez
07 - 300: A Ascensão de um Império
08 - Transformers: A Era da Extinção
09 -  Jogos Vorazes: A Esperança - Parte 1
10 - Guardiões da Galáxia
11 - Uma Aventura Lego
12 - Muppets 2 - Procurados e Amados
13 - Vidas ao Vento
14 - Expresso do Amanhã
15 - O Grande Mestre
16 - Transcendence
17 - Pompéia
18 - Atividade Paranormal: Marcados pelo Mal
19 - Need For Speed - O Filme
20 - Caminhando com Dinossauros 3D
21 - RoboCop: A Origem
22 - Divergente
23 - 33 Dias
24 - Noé
25 - Oldboy - Dias de Vingança

- Menções sem data exata:

01 - Nerd Revoltado dos Videogames - O Filme
02 - Minúsculo - O Vale das Formigas Perdidas
03 - Liga da Justiça - Guerra

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

Os 40 mais esperados de 2015:

01 - Os Vingadores 2 - A Era de Ultron
02 - Star Wars: Episódio VII - O Despertar da Força
03 - Jurassic World - O Mundo dos Dinossauros
04 - Jogos Vorazes: A Esperança - Parte 2
05 - Velozes & Furiosos 7
06 - Pixels
07 - O Exterminador do Futuro: Gênesis
08 - Mad Max: Estrada da Fúria
09 - Divertida Mente
10 - Minions
11 - Quarteto Fantástico
12 - Mr Holmes
13 - Scooby-Doo em Sexta-Feira 13
14 - 007 - Espectro
15 - Uma Noite de Crime 3
16 - Maze Runner - Prova de Fogo
17 - A Escolha Perfeita 2
18 - Projeto Almanaque
19 - A Entrevista
20 - Homem-Formiga
21 - The Babadook
22 - Agente 47
23 - Minúsculos - O Filme
24 - Cada um na sua Casa
25 - Bob Esponja: Um Herói Fora D'Água
26 - Kung Fu Panda 3
27 - Shaun, o Carneiro - O Filme
28 - Terremoto: A Falha de San Andreas
29 - A Teoria de Tudo
30 - James Brown
31 - No Coração do Mar
32 - Uma Noite no Museu 3
33 - Os Pinguins de Madagascar
34 - Atividade Paranormal 5: A Dimensão Fantasma
35 - Hotel Transilvânia 2
36 - O Segredo das Águas
37 - Last Days in the Desert
38 - Strange Magic
39 - Os 33
40 - Caminhos da Floresta

Menção sem data exata:  Expresso do Amanhã

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

Os 35 mais esperados de 2016:

01 - Batman vs Superman: A Origem da Justiça
02 - Capitão América: Guerra Civil
03 - Esquadrão Suicida
04 - Doutor Estranho
05 - X-Men: Apocalipse
06 - Godzilla Resurgence
07 - Inferno
08 - Invocação do Mal 2
09 - A Quinta Onda
10 - Uma Noite de Crime 3
11 - Jumanji (remake)
12 - Assassin’s Creed
13 - Animais Fantásticos e Onde Habitam
14 - A Era do Gelo - O Big Bang
15 - Procurando Dory
16 - The Gamechangers (GTA)
17 - Invasão à Londres
18 - Truque de Mestre 2
19 - The Founder
20 - Death Note '2016'
21 - Assassination Classroom - Graduation Edition
22 - Kung Fu Panda 3
23 - Rogue One: A Star Wars Story
24 - As Caça-Fantasmas
25 - O Regresso
26 - Kubo and the Two Strings
27 - Zootopia - Essa Cidade é o Bicho
28 - Deadpool
29 - Angry Birds
30 - Carrossel 2
31 - O Grande Mestre 3
32 - Alice Através do Espelho
33 - O Orfanato da Srta. Peregrine Para Crianças Peculiares
34 - O Bom Dinossauro
35 - Pets - A Vida Secreta dos Bichos

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Minhas opiniões sobre os filmes do Godzilla

Esse é um compilado (na íntegra) de comentários que postei no Filmow em relação a cada um dos filmes japoneses do Godzilla. Nada muito elaborado, a maioria é algo curto mesmo. Vi a franquia a alguns anos.

x

ERA 1

x

Godzilla 1954

"Filmaço! Deve ser visto por todos os admiradores de filmes de monstro.

A história e os personagens são envolventes, tem uma trama mais profunda, uma preocupação além do inicialmente mostrado, como o fato dos humanos usarem as coisas pra fazer o mal.

Primeiro dão aquele suspense, sem mostrar o monstro, apenas boatos de que o monstro de uma antiga lenda, Godzilla, havia voltado. Mesmo assim, pouco depois, já vemos parte do Godzilla. Daí tem uma reunião sobre de onde ele veio, como ele saiu, e aí entra a parte das bombas atômicas e o que elas fizeram com o monstro.

O Godzilla só aparece por completo lá pra metade do filme, destruindo cidades, enquanto o exército tenta de tudo pra matá-lo e as pessoas tentam sobreviver.

A origem original do monstro é de que ele é um dinossauro que sobreviveu a extinção e ficou vivendo no fundo do mar. As bombas atômicas o despertou e ele absorveu a energia delas (possivelmente isso explica suas rajadas de fogo). Seu ataque a superfície fica claro que foi por causa das bombas, que mexeram com ele e ele ficou irritado, destruindo tudo o que encontrasse.

Apesar de ter continuações, o filme pode ser visto de forma 'fechada'. Até tem uma citação que possibilitou outros filmes, mas a história em si se encerra ali, no ato final contra o Godzilla. Isso me fez pensar se os outros monstros são o mesmo Godzilla, só que foram evoluindo, ou são outros, cada filme ou cada ciclo um diferente."

x

Godzilla Contra-Ataca 1955

"Segundo filme do monstro-dinossauro e a estreia do primeiro adversário monstro do Godzilla: o Anguirus.

O filme é bem inferior ao primeiro, mas não deixa de ser bom. O grande problema dele é seu roteiro mal dividido, além dos graves erros de localização e tempo, e, claro, de uma história um tanto sem motivação.

Os primeiros minutos do filme são mornos e tentam algumas coisas pra chamar a atenção, mas fica na mesma.

A batalha do Godzilla contra o Anguirus hoje em dia pode ser considerada bem tosca, eu mesmo ri da cena, mas não deixa de ser divertida, bem divertida. É legal, e ao mesmo tempo cômico, ver uma luta entre pessoas fantasiadas de dinossauro, e o filme consegue deixar claro que são pessoas.

De qualquer forma, Anguirus é meio que deixado de lado, é como se fossem dois filmes em um, depois dele ainda tem mais história com os personagens humanos contra o Godzilla. Descobrimos que o Godzilla é atraído por luzes.

Falando dos personagens humanos, o filme não dá tempo de um bom desenvolvimento dramático e as atuações são fracas, perdendo a emoção adequada. Ninguém marcante.

Entre altos e baixos, o filme consegue divertir e tem seus momentos sérios. A cena da perseguição policial, que leva a grande cena de luta, é uma das melhores do filme, embora pare por aí mesmo pra dar espaço pros dois monstros lutarem. O final da luta é violenta, mas a cena novamente tem exageros. Depois disso o filme não anda, mas consegue encerrar bem, apesar de ter deixado no ar um sentimento de que ficou faltando algo.

Falando assim parece até ruim, mas só assistindo o filme mesmo pra saber."

x

King Kong vs. Godzilla 1962

"Revi hoje, divertidão kk Dessa vez vi a edição original japonesa, sem cortes e modificações feitas pelos americanos.

Ri muito das lutas. E o filme ainda tem umas cenas humoradas com os humanos, como no início, do cara testando a linha forte, e a do intérprete na ilha.

Primeira batalha: King Kong chega encrencando com o Godzilla. King Kong taca pedra no Godzilla. Godzilla queima King Kong. King Kong sai triste. huehuehue

Que loucura a última batalha dos dois. Sem comentários aquilo..."

x

Godzilla Contra a Ilha Sagrada 1964

"Quarto filme do Godzilla. Ele demorou tanto pra aparecer que eu até tinha me esquecido que era filme dele e já tava pensando no solo do Mothra. Falando em Mothra, curti a personagem. Uma borboleta contra o Godzilla. A cena da lagarta mordendo o rabo do Godzilla é a melhor haha

Batalha mesmo rola pra depois de uma hora de filme, mas a história humana é envolvente, então deixo passar. Aquelas mulherzinhas são fadas ou algo do tipo? Cantam bem."

x

Ghidrah, o Monstro Tricéfalo 1964

"Quinto filme do Godzilla. :v Nunca pensei que veria uma lagarta em cima de um... "dino pássaro" enfrentando um dragão de três cabeças.

Sobre o filme, é tosco, muito tosco. Ri demais da batalha. A cena dos monstros conversando negociando pra deter o King Ghidorah kkkkk A luta entre os monstros ocorre só no final do filme, o que é uma pena. ´basicamente a cena que o King Ghidorah aparece, pq no resto do filme, acho que só duas cenas rápidas. Esse filme deveria se chamar "Godzilla vs Rodan", pq ele aparece mais que todos.

E dessa vez inseriram uma parada alien no filme, embora nenhum apareça realmente, só a mulher lá que dizem que é princesa, mas ela diz ser de Vênus e fica alertando sobre o que acontecerá no futuro. Tem uns caras que vão atrás da princesa/alien, como são ruins de mira, o cara nem perto com espingarda (ou algo do tipo) e mira consegue acertar o alvo."

x

A Guerra dos Monstros 1965

"Sexto filme do Godzilla. Dessa vez deixaram um pouco a desejar. O Godzilla vira um simples figurante de uma trama maior (apesar de já ter ocorrido antes, não foi ao nível desse). Esperava que aproveitassem mais o King Ghidorah, que mal aparece em seu filme contra o Godzilla, mas não ocorreu. A história dos aliens não é grande coisa mas dá pro gasto. Ao fim é um filme pra passar o tempo. Há melhores. Destaque pro Godzilla comemorando com pulinhos toscos."

x

Ebirah, Terror dos Abismos 1966

"Sétimo filme do Godzilla. Bonzão. As diversas cenas sem trilha de fundo só aumentam a experiência do filme. A história de fundo funciona e entretém, trazendo de volta a ilha de Mothra e seus habitantes. E gostei como o Godzilla retornou nesse filme, só fiquei curioso pra saber como ele entrou naquele lugar. Agora tenho que falar das lutas: Godzilla humorado não tem pra ninguém, "brincando" com os aviões. E a primeira batalha contra o Ebirah (lagosta gigante)? Mais pareciam que tavam jogando bola. Bizarro. O Godzilla com sono coçando o olho então... Sem comentários. O filme, assim como os outros, possui uma história séria, mas as cenas do Godzilla são pura diversão."

x

O Filho de Godzilla 1967

"Oitavo filme do Godzilla. É, minha gente, o Godzilla agora é pai! Dessa vez partem pra algo mais infantil, mas isso não desmerece o conteúdo. Aqui temos o filhote do Godzilla e não vemos nenhuma explicação de como isso foi possível. O ovo simplesmente é descoberto e sai o filhote de lá... sendo maltratado por uns louva-a-deus gigantes. Coitado, sofrendo bullying desde que nasceu. O bicho é todo atrapalhado, tropeça direto (seja pisando numa pedra, seja andando) e é muito medroso (o Godzilla solta sua rajada e ele sai correndo abraçar o pai). O Godzilla, como um pai rígido, tenta treinar seu filho pra ser um monstro de verdade. Já a trama do filme é aceitável, tem lá seus personagens, algo tranquilo de assistir. E curti como encerraram o filme, foi o melhor caminho a seguir."

x

O Despertar dos Monstros 1968

"Nono filme do Godzilla. Esperava bem mais. Esse já tinha visto quando criança e lembro de ter curtido bastante justamente por causa das lutas dos monstros. Não há uma noção exata de quanto tempo se passa entre os filmes, mas sabe-se que é pouco, já que o Godzilla costuma aparecer onde terminou no filme anterior. Aqui avançam pro fim do século, onde os monstros estão presos numa ilha. O título vem de uma parte do filme em que os aliens controlam os monstros e mandam eles pra diversos lugares do mundo destruírem o que verem pela frente (e não, o filme não se foca nisso). A história clichê dos aliens e humanos até dá pra deixar passar, mas é desinteressante, inclusive os personagens. O bom mesmo é quando os monstros se unem para enfrentar King Ghidorah no final do filme. Pra quem curte, bom até demais essa parte."

x

A Vingança de Godzilla 1969

"Décimo filme do Godzilla. Não esperava que um filme do Godzilla pudesse ser tão ruim. Tudo bem que dentre vários filmes poderia facilmente sair algo abaixo da média, mas não poderia imaginar algo a esse nível. Achei ok a história do garoto, do inventor de brinquedos, dos ladrões atrapalhados, tentaram seguir algo mais infantil, como em O Filho do Godzilla, só que aqui há problemas que vão muito além. Pra começar, o garoto imagina estar na ilha dos monstros, ou seja, nada daquilo é "real". E as cenas de luta são recicladas de filmes antigos, exceto a única batalha original do filme, com um monstro que é uma representação de um garoto que comete bullying com o garoto. Pra piorar tudo, o divertido Minya sabe falar! Filme fraquíssimo."

x

Godzilla vs. Hedorah 1971

"Décimo primeiro filme do Godzilla. Mais um filme diferente. A questão tratada dessa vez é a poluição. Hedorah, o monstro tóxico, é quase que invencível. Sua pele é ácida e queima quem a toca. A poluição transmitida por ele pode ser fatal, matando desde plantas a seres humanos e derretendo construções. Ele pode mudar de forma. Em líquido, mais parece a Bolha Assassina. Foi provavelmente a batalha mais difícil que o Godzilla participou, já que sua força e seu laser não adiantavam de nada num monstro que podia se regenerar. Mas como todo bom filme do Godzilla, não podia faltar alguma tosqueira, e a desse no final é em palavras hehe"

x

Godzilla vs. Gigan 1972

"Décimo segundo filme do Godzilla. Uns aliens querem dominar a Terra (novamente) e controlam King Gidorah e Gigan, atraindo Godzilla e Angilas pra batalha. Claro que antes ocorre muita coisa, já que temos a trama humana como em qualquer filme.

Temos tb algo inusitado: Chegam a mostrar o que o monstros conversam em forma de balõezinhos [que nem hq], embora ocorra em apenas duas cenas (descartável, o legal é imaginar o que eles tão falando, mas acaba sendo engraçado por ser tosco, diferente de outro filme que há intérprete e não incomoda).

Sobre os aliens, a trama deles é até mais simples que de outros filmes da franquia que envolvem aliens (que não costumam ser tão bons assim), porém é melhor que a maioria. Já a origem deles... melhor nem comentar. Pior que eu já imaginei algo parecido. E não se esqueçam do Gigan, o monstro com barriga de serra elétrica haha"

x

Godzilla vs. Megalon 1973

"Décimo terceiro filme do Godzilla. Godzilla mestre do kung fu, badass e bom amigo. Inesperadamente, pela primeira vez temos a presenta de um robô que mais parece ter saído de um tokusatsu: Jet Jaguar. Os dois se unem pra enfrentar Megalon, vindo de um reino subterrâneo, e Gigan, que detonou o Godzilla no filme anterior. Olhem só, dessa vez não são aliens querendo dominar o mundo, são humanos haha Sem muito a declarar. Destaque pra voadora do Godzilla."

x

Godzilla vs. Mechagodzilla 1974

"Décimo quarto filme do Godzilla. Não sabia que haviam macacos no espaço que se disfarçaram de humanos haha Oh, Planeta dos Macacos Espaciais? Aqui tem uma profecia doida de que um monstro destruiria o mundo e caberia a dois outros monstros salvarem. No caso, um tal de King Caesar e Godzilla. O destruidor (ué, mas os "salvadores" tb destroem muito) é o Mechagodzilla, uma versão robótica do Godzilla (dã). O legal aqui é que temos mais um monstro difícil, com uma pele impenetrável porém um ponto fraco bem vulnerável se descoberto. É um bom filme, apesar de mais uma vez envolver aliens querendo dominar o mundo, e o disfarce nem é uma ideia nova."

x

O Terror do Mechagodzilla 1975

"Décimo quinto filme do Godzilla, último da primeira série. Continua o filme anterior e serve como um bom complemento. Tem um tal de Titanosauro descoberto por um doutor rejeitado, umas coisas assim. Não há muito o que comentar. Pra um filme de encerramento, soou mais como um filme qualquer da franquia. Não que desmereça a obra. Só acho que se esqueceram que os aliens são macacos, pq quando um morre, não se transforma."

x

ERA 2

x

O Retorno do Godzilla 1984

"Décimo sexto filme do Godzilla, primeiro da segunda série. Ignorando as 14 continuações anteriores, esse filme do rei dos monstros é um recomeço da franquia. Toda a tosqueira é deixada de lado e a seriedade presente no primeiro filme retorna. Aqui o Godzilla não enfrenta monstros gigantes, voltando com o embate do primeiro filme exclusivamente entre ele e os humanos. A trama humana é simples e boa. Há alguns probleminhas técnicos, mas dá pra deixar passar se levarmos em conta a época em que o filme foi feito. De início não tava muito confiante, mas ao fim o filme me convenceu."

x

Godzilla x Biollante 1989

"Décimo sétimo filme do Godzilla. O retorno dos filmes de batalha contra outros monstros gigantes. Dessa vez é... bem... uma planta gigante que possui o dna do Godzilla e que possuía ou não (vc leu certo) a alma de uma pessoa. Não ria, o filme se leva a sério. Uma trama humana um pouco viajada e meio sem rumo, com erros no roteiro. Sei que tem uma garota que conversa com plantas e sente onde tão os monstros (ou algo do tipo). De começo estranhei o nível de batalha entre Godzilla e uma planta dessas, mas foi mostrando seu potencial. A batalha final é boa."

x

Godzilla Contra o Monstro do Mal 1991

"Décimo oitavo filme do Godzilla. Tentando inovar, o filme acaba bagunçando o monstrão, mas traz elementos a la Jurassic Park e Exterminador do Futuro antes deles terem sido lançados. E Star Trek. Tem aliens, mas dessa vez eles não trazem o King Ghidorah pra Terra. Aqui temos viagem no tempo! E andróide! E bichinhos fofinhos que... ok, vou manter segredo. De leva o filme ainda mostra como o Godzilla era antes da bomba.

O principal problema é justo a viagem no tempo. Como é que todos continuaram sabendo do Godzilla se ele não mais existia? Acho que uma pergunta dessas basta por enquanto, ainda tive outras durante o filme. Tenho teorias, mas nenhuma que eu ache plausível até mesmo pra ficção.

A luta contra o King Ghidorah não é grande coisa inicialmente (depois melhora), mas só de ver o retorno do dragão de três cabeças vale a pena. O mais curioso é ver como o Godzilla lutou contra ele sozinho, coisa que no antigo ele precisou de ajuda em todos os filmes que o bicho apareceu. Apesar dos pesares, gostei da historinha humana."

x

Godzilla vs. Mothra 1992

"Décimo nono filme do Godzilla. Que filmão da franquia! O querido Mothra retorna numa história repaginada. Temos a volta das fadinhas, cantando como sempre, mas sem aquelas músicas que ocupavam 5 minutos de cena (por vez). A ilha por sua vez não existe aqui, ela foi inundada (ufa, sem cenas de rituais que ocupavam 10 minutos [por vez]). De acréscimo, temos uma profecia sobre fim do mundo e legado de Mothra, além da adição de Battra, o "Mothra Negro". A trama humana é boa e é diretamente ligada ao destino dos locais de batalhas no filme.

O campo de batalha está formado: Godzilla vs Mothra vs Battra... isso enquanto, numa ilha [não tão] distante dali, a Terra começa a se abrir e a cuspir lava, dando segmento a profecia do fim do mundo. É tudo grandioso.

A forma magistral que Mothra se transforma de lagarta em borboleta deve ser apreciada com a boa e relaxante música das fadinhas. Em contrapartida, a trilha agitada faz a transformação de Battra ser mais hardcore. A batalha final é colossal do início ao fim, ótimos momentos. E ainda há um encerramento emocionante."

x

Godzilla vs. Mechagodzilla II 1993

"Vigésimo filme do Godzilla, primeiro da trilogia que une personagens principais japonesas e alguns americanos aqui e ali. Muito cara de Sessão da Tarde graças ao Baby Godzilla, que acaba tirando a seriedade do filme. E a telepata agora tem uma escola de crianças com o mesmo dom! Gostei de como Rodan e Baby Godzilla foram inseridos, trouxe um sentido maior que nos filmes antigos. A trama humana é ok. Confesso que não fiquei tão surpreso com o Mechagodzilla, mas deu pro gasto. Achei legal a ideia de ser um robô gigante controlado por humanos, como nos tokusatsus. Pelo menos aqui ele é como um robô mesmo, não tinha fantasia de Godzilla haha"

x

Godzilla vs. SpaceGodzilla 1994

"Vigésimo primeiro filme do Godzilla, segundo da trilogia que une personagens principais japoneses e alguns americanos aqui e ali. Viajei enquanto assistia, em alguns momentos o filme parecia sem rumo. Agora tem um centro pros telepatas, um projeto de tentar controlar o Godzilla por telecinesia. O Baby Godzilla tá com um visual infantil demais, mesmo tendo crescido bastante desde o anterior (felizmente mal aparece no filme). O SpaceGodzilla é duro de matar, mas não chega a ser um monstro marcante. A luta dura até mais do que o necessário. O destaque vai pra trama humana, trazendo alguns personagens do anterior de volta, em especial a equipe do centro de defesa contra o Godzilla."

x

Godzilla vs. Destoroyah 1995

"Vigésimo segundo filme do Godzilla, terceiro da trilogia que une personagens principais japoneses e alguns americanos aqui e ali, último da segunda série. Uma boa forma de encerrar uma geração, repleto de ligações com o filme original.

Com novamente o retorno de alguns personagens dos dois filmes anteriores, o centro de defesa contra o Godzilla continua a todo vapor. Godzilla por sua vez vira uma bomba, a ponto de poder explodir e levar o mundo consigo. Procurando por um fim definitivo a tudo aquilo, alguns cientistas tentam recriar a famosa arma utilizada no primeiro filme da franquia. Sem "ingredientes", eles pegam pedaços do solo onde a bomba foi utilizada pra descobrir como fazê-la, mas acabam encontrando um ser modificado que desfaz tudo que ataca, que foge e começa a crescer e a se multiplicar. Quando se unem, ficam absurdamente imensos.

O caos está formado, os humanos só podem usar armas congelantes, já que o Godzilla não pode ser atacado por um explosivo. Enquanto isso esses seres estranhos começam a destruir toda a cidade. O Baby Godzilla, que estava considerado morto, já está gigante (embora bem menor que seu pai) e vira alvo dos tais seres. O resultado é uma batalha contra um Godzilla furioso e desesperado, com o corpo de desfazendo e cuspindo fogo tão quente quanto a lava!"

x

ERA 3

x

Godzilla 2000 1999

"Vigésimo terceiro filme do Godzilla, primeiro da terceira série. Um recomeço que não é recomeço, trazendo de novo uma melhoria gráfica e o uso do cgi. Aqui o Godzilla parece já ter atacado antes e decidem por um fim quando ele retorna mais uma vez (como sempre). Não especifica quais filmes anteriores foram aceitos e quais foram rejeitados. A história humana é ok, as cenas de luta dos monstros são boas, mas o monstro mesmo é bem sem graça."

x

Godzilla Vs. Megaguirus 2000

"Vigésimo quarto filme do Godzilla. Aqui consideram apenas o primeiro filme do Godzilla e o ataque solo dele do segundo filme. Quando o monstrão retorna, há um projeto de deter ele de vez usando um disparador de buraco negro (!!!). A trama humana serve mais pra iniciar a história e, claro, influenciar a batalha com os soldados. O vilão é um inseto de outra dimensão que se multiplica, mas o "chefão" deles tá só esperando a hora de atacar. Esse é o filme que mais usa cgi descaradamente. Enfim, é um bom filme, tem boas cenas de luta e é considerado por alguns um filme mais detalhado que outros da franquia."

x

Godzilla, Mothra and King Ghidorah - Giant Monsters All Out Attack 2001

"Vigésimo quinto filme do Godzilla. O filme considera apenas o primeiro filme da franquia e o ataque do Mothra (de algum filme), além do ataque de um outro monstro de outro filme. Com 3 mitos no título, tinha como dar errado? Na verdade tinha, mas felizmente deu certo.

Godzilla possuído, sinistro, mal, decide atacar o Japão com tudo. Enquanto isso, na trama humana, um velho diz sobre uma profecia e convoca os monstros guardiões pra salvar a Terra: Baragon, Mothra e King Ghidorah (sim, Ghidorah aqui é do "bem"). Há diversos personagens, mas a principal é uma mulher que trabalha pra uma empresa de filmes de baixo orçamento. Também há alguns aleatórios.

É tensão do início ao fim, como uma grande cena de ação com uma luta que dura o dia todo. Primeiro o Godzilla e o Baragon se enfrentam, mas Baragon leva a pior. Então Mothra e King Ghidorah chegam pra tentar detê-lo. Curioso que as fadinhas de Mothra não aparecem no filme. E Mothra aparece tanto em lagarta quanto em borboleta. Ótimo filme da franquia."

x

Godzilla Against Mechagodzilla 2002

"Vigésimo sexto filme do Godzilla. Consideram apenas o primeiro filme da franquia. O Godzilla que retorna aqui não é o mesmo do primeirão, aquele tá morto, esse é um outro Godzilla. Com o retorno dele depois de um longo tempo, decidem construir um Godzilla robótico usando os ossos do primeiro Godzilla como base. A trama humana tem partes boas, partes ruins, mas a maioria dos envolvidos são a equipe contra o Godzilla, assim como aconteceu no final da segunda série da franquia. Os humanos mais uma vez influenciando o rumo das batalhas. Não é por menos, eles estão controlando um robô que tem vida própria. É como se a Skynet deixasse vc controlar ela, depois de destruir parte da cidade, coisa que é tratada com seriedade, mostrando o lado dos soldados e do governo. Bom filme."

x

Godzilla: Tokyo S.O.S. 2003

"Vigésimo sétimo filme do Godzilla. Diferente dos anteriores da terceira série, esse filme é continuação direta do anterior, trazendo de volta o Mechagodzilla, os soldados e alguns personagens. O filme acrescenta na lista de considerações o ataque do Mothra e o primeiro encontro com as fadinhas. Era de se esperar que o Godzilla voltasse, mas o governo não estava preparado pra um segundo ataque, já que o Mechagodzilla não estava consertado. Com o caos, Mothra é convocado pra salvar o Japão. Só que Mothra quer os ossos do primeiro Godzilla de volta, senão destruirá a Terra. Que isso, Mothra, pensei que fosse bonzinho haha Com Mothra perdendo, Mechagodzilla é mandado do jeito que tá pra ajudar. Ótimas cenas de batalha, roteiro melhor que do filme anterior e um bom final."

x

Godzilla Batalha Final 2004

"Vigésimo oitavo filme do Godzilla, último da terceira série Pra encerrar temporariamente a franquia, um filme especial de 50 anos foi planejado. E qual a melhor forma de fazer isso? Botando o Godzilla pra enfrentar diversos monstros dos filmes anteriores. O filme considera os ataques dos monstros gigantes de diversos filmes, mas não necessariamente seus filmes.

O estilo é o mais diferente da franquia. A trama envolve uma equipe de humanos e mutantes combatendo aliens que copiam os corpos das pessoas, controlam os mutantes e os monstros gigantes (menos o Godzilla). Os aliens então mandam os monstros destruírem a Terra, daí os humanos libertam o Godzilla.

As batalhas são frenéticas, o ambiente é devastador, a trilha é agitada, o clima é apocalíptico. Pena que o Godzilla tá forte demais. Demais mesmo! O que ele levava minutos pra enfrentar nos filmes anteriores, ele derrotava em muito pouco tempo. E até mais de um de vez. Pena também que as batalhas não ocupam boa parte do filme. O filme possui muito mais foco na trama humana, que é ok. Ainda assim, são cenas épicas. A trilha ajuda bastante, com um rock pesado acompanhando Godzilla contra os monstros e os humanos e mutantes contra os aliens.

Pra um encerramento de franquia, o filme é até adequado, uma grande compilação de "nostalgia". Tudo aqui é reciclado, todas as ideias foram utilizadas nos filmes anteriores (só os mutantes que não tinham antes, mas tinha algo parecido). Apesar dos pesares, Final Wars é uma grande homenagem a própria franquia e um filme voltado para os fãs, agora bem ao estilo tokusatsu."

x

ERA 4

Shin Godzilla 2016

"Gojira está de volta! Depois de 12 anos, é hora de recomeçar. Os japoneses entregam um bom filme de introdução com um Godzilla repaginado e sem ligação com os filmes anteriores. O rei dos monstros está tão forte que dizer que exageraram é pouco, principalmente no quesito da rajada de energia. Quem viu os trailers já sabe o que esperar, mas independente disso o filme ainda guarda surpresas que podem estranhar, como na primeira aparição do Godzilla. É um colosso evolucionário,

Os personagens da trama são diversos. Não há muito aprofundamento e quando há é bem "raso". São o que são e cumprem seus papéis. Diversas pessoas envolvidas em prol de um objetivo: Buscar um meio para deter aquele ser que apareceu no Japão e está destruindo tudo.

A trama reflete os personagens, que estão o tempo todo buscando o objetivo, além da crítica contra os Estados Unidos por se intrometerem em tudo e tomarem posse como bem entenderem e a compaixão japonesa de sempre proteger os cidadãos para que não passem pelo que os sobreviventes da 2ª Guerra passaram.

O estilo do filme mescla algo totalmente diferente dos anteriores, mas ao mesmo tempo possui cenas com clima semelhante aos antigos, sendo ajudado pela trilha sonora, com direito ao tema original, e a forma como as cenas de ação são gravadas.

Destaque pra primeira cena da rajada de energia que o Godzilla solta, com uma música épica de fundo e um cenário noturno. O poder liberado chega a ser surreal até mesmo se comparado com suas versões anteriores. Marcante. Grandioso. Magnífico. Que venham mais filmes!"

x

quinta-feira, 20 de julho de 2017

[GEEKABLE] Resident Evil: Vingança

Link: https://geekable.com.br/14857/resident-evil-vinganca-critica/

[GEEKABLE] Okja

Link: https://geekable.com.br/14815/okja-critica/

[JAM STATION] Piratas do Caribe 5: A Vingança de Salazar

Link: http://www.jam-station.com/2017/05/piratas-do-caribe-5-mortos-vinganca.html

[GEEKABLE] Hacker - Todo Crime Tem Um Início

Link: https://geekable.com.br/13855/hacker-todo-crime-tem-um-inicio-critica/

[LEO NERD] Kong: A Ilha da Caveira

Link: https://www.facebook.com/leonerdices/photos/a.360432400703077.85964.360099864069664/1243283075751334/?type=3&permPage=1

[LEO NERD] Mulher-Maravilha

Link: https://www.facebook.com/leonerdices/photos/a.360432400703077.85964.360099864069664/1329238587155782/?type=3&permPage=1

[LEO NERD] Transformers: O Último Cavaleiro

Link: https://www.facebook.com/leonerdices/photos/a.360432400703077.85964.360099864069664/1373932712686369/?type=3&permPage=1

domingo, 14 de maio de 2017

[RASCUNHO] Mad Max: Estrada da Fúria (hq)

~Publicado originalmente em redes sociais.

Quatro edições que se passam em algum futuro não localizado, mas contam o prelúdio do quarto filme.

Na primeira temos a origem de Nux e Immortan Joe, desde o fim do mundo até a criação do reino que se passa o filme. Talvez a edição mais importante por tratar de origens e explicar as mudanças. É interessante acompanhar o surgimento dos personagens.

Na segunda conta como a Furiosa conheceu as esposas do Immortan Joe. Polêmico e criticado, apresenta basicamente a vida das esposas, que é sofrer e gerar filho. Não acrescenta muito na trama, já que o filme meio que repete parte dele (mesmo se passando depois), e a Furiosa fica em segundo plano.

As duas últimas são do Max, resgatando elementos dos filmes anteriores. Na primeira parte conta a batalha na 'nova' Cúpula do Trovão e na segunda uma aventura com uma mulher em busca de sua filha. Esse arco serve como uma ponte entre o terceiro e quarto filme. De início resume toda a trilogia anterior para então mostrar que Max ainda está vivendo sua vida por aí, mostrando como ele recuperou suas coisas.

Pela grande qualidade do filme, fiquei curioso quanto as hqs, mas pela experiência, fiquei duvidoso quanto ao resultado. Felizmente foi positivo. Não que seja necessário, até porque se não tá no filme é apenas complemento, mas pra quem se interessa pelos personagens e quer saber suas origens ou como eles chegaram ao ponto que eram no quarto filme, vale a pena.

[RASCUNHO] The Ghost in the Shell (mangá)

~Publicado originalmente em redes sociais.

Preciso colocar meu cérebro num balde de água fria com gelo, porque a leitura foi pesada. Se a animação já bugou a mente de muitos, o mangá é pra explodir, embora a ideia seja a mesma (só que na animação bem resumida). O filme americano não, só fica na ponta do iceberg mesmo rs

Por mais que a animação tenha marcado, o mangá que deu origem é bem diferente. Primeira coisa que notei é que a trama não é apenas séria, misturando comédia em diversos momentos. E funciona muito bem.

Também não fica o tempo todo em questões 'filosóficas', embora estejam de fundo e tenha sim seus momentos de foco, indagando sobre a vida e tudo o que forma a noção de existência. [Partindo do princípio que os humanos podem modificar seus corpos, até mesmo sobrando apenas o cérebro de original, e que a "alma" pode ser hackeada, ou seja, a pessoa pode ser controlada, ter sua mente modificada, etc, três perguntas 'básicas': A pessoa ainda é humana? Ela está viva ou está morta e vive uma falsa ilusão de vida? O que diferencia essa pessoa de uma inteligência artificial tão avançada que é programada para se melhorar automaticamente e chega ao ponto de conseguir sua própria independência e fazer o que bem entender?].

Na verdade tudo nesse universo já faz refletir, mesmo que indiretamente. Fora isso, há coisas óbvias pelo mangá ter mais 'espaço', como maior exploração de alguns temas, como política e sociedade, embora esse segundo seja bem "específico" quando desenvolvido.

Notei que a obra se utiliza de uma boa dose de estudos reais em meio ao conteúdo inventado pelo escritor. É uma mesclagem de informações e um detalhismo que em alguns momentos chega a 'incomodar'. Nas páginas há anotações do escritor explicando os conteúdos, sua visão, etc. Claro que isso pode ser ignorado, embora seja interessante para melhor compreensão (além de um bom aprendizado em alguns casos rs).

A história é como uma grande saga, um conjunto de histórias (arcos) que seguem uma ordem cronológica, o que dá uma noção maior de tempo aquele universo. Em geral é uma obra bem curiosa. Bebeu de fontes anteriores e serviu de inspiração para fontes posteriores.

[RASCUNHO] Godzilla Resurgence

~Publicado originalmente em redes sociais.

Gojira está de volta! Depois de 12 anos, é hora de recomeçar. Os japoneses entregam um bom filme de introdução com um Godzilla repaginado e sem ligação com os filmes anteriores. O rei dos monstros está tão forte que dizer que exageraram é pouco, principalmente no quesito da rajada de energia. Quem viu os trailers já sabe o que esperar, mas independente disso o filme ainda guarda surpresas que podem estranhar, como na primeira aparição do Godzilla. É um colosso evolucionário,

Os personagens da trama são diversos. Não há muito aprofundamento e quando há é bem "raso". São o que são e cumprem seus papéis. Diversas pessoas envolvidas em prol de um objetivo: Buscar um meio para deter aquele ser que apareceu no Japão e está destruindo tudo.

A trama reflete os personagens, que estão o tempo todo buscando o objetivo, além da crítica contra os Estados Unidos por se intrometerem em tudo e tomarem posse como bem entenderem e a compaixão japonesa de sempre proteger os cidadãos para que não passem pelo que os sobreviventes da 2ª Guerra passaram.

O estilo do filme mescla algo totalmente diferente dos anteriores, mas ao mesmo tempo possui cenas com clima semelhante aos antigos, sendo ajudado pela trilha sonora, com direito ao tema original, e a forma como as cenas de ação são gravadas.

Destaque pra primeira cena da rajada de energia que o Godzilla solta, com uma música épica de fundo e um cenário noturno. O poder liberado chega a ser surreal até mesmo se comparado com suas versões anteriores. Marcante. Grandioso. Magnífico. Que venham mais filmes!

[RASCUNHO] Trilogia Puella Magi Madoka Magica

~Publicado originalmente em redes sociais.

Normalmente eu não postaria algo assim aqui, já que não expliquei nada sobre nada. Nem trama, nem personagens. Apenas expressei emoção. Mas deixo registrado pois pretendo futuramente escrever algo sobre Madoka.


Caramba... que surpresa. Os dois primeiros filmes "resumem" (será?) o anime, só que editado com qualidade melhor e algumas cenas inéditas, então vi logo eles. Que viagem! Começou sem graça, só continuei vendo porque sabia que algo muito sinistro aconteceria. Mas não aquilo! Que cruel. Depois daquilo... O que foi aquilo? E cada vez mais que o filme avança, vão surgindo várias revelações, tendo várias reviravoltas, e a viagem é forte. História muito profunda. Quando pensa que não dá pra ficar mais tenso, fica. Quando pensa que não dá pra viajar mais, viajam. Quando pensa que estão chegando ao limite, ultrapassam. Quando pensa que foram longe, percebe-se que nunca existiu limite. E quando decide aceitar tudo, as coisas vão ainda mais além.

O primeiro filme é o mais normal. Apresenta as personagens e vai revelando informações tensas pra caramba. Ótimo visual e boas cenas. Apesar do inicio bobo, parece que foi proposital, porque depois impacta bastante.

O segundo filme cuida das consequências. Se já não bastasse tudo o que aconteceu no primeiro, aqui piora. O final é insano, nunca que eu imaginaria algo do nível que foi. A trama vai ficando literalmente cada vez mais grandiosa.

O terceiro acrescenta mais história. O final do segundo já tinha sido de explodir a mente e dava pra terminar por ali, mas não, seguiram em frente pra viajar cada vez mais. E viajaram muito rs Não sei como descrever.

Será que sai um quarto filme futuramente? Porque ainda tem história pra mais.


[UP] MAIO DE 2017

Na época que escrevi isso não tinha visto o anime. Posteriormente acabei conferindo e percebi que a maior parte das mudanças foram nos detalhes, considerando aí tudo o que engloba visual. Pelo anime ser curto, sua duração cabe muito bem em dois longas. Continuei preferindo os filmes, muito melhor trabalhados.

A trama basicamente conta sobre garotas que podem ter seus pedidos realizados (um pedido), mas em troca devem se tornar garotas mágicas, guerreiras que lutam contra bruxas e protegem o mundo. O problema é que, quando morrerem, todos esqueceram delas. Como se nada bastasse, as coisas começam a piorar quando revelações vem a tona, mostrando todo o lado macabro por trás de tudo aquilo. O que é ser garota mágica? Vale a pena realizar um desejo em troca de sua vida? E tudo, absolutamente tudo, começa a se tornar cada vez mais aterrorizante e grandioso.

[RASCUNHO] Alice Através do Espelho

~Publicado originalmente em redes sociais.

"Que viagem é essa, véi?" rs Enquanto o primeiro buscou recontar a história de Alice, já adulta, numa versão mais 'sombria', misturando elementos dos dois livros, mas se focando no País das Maravilhas, o segundo trouxe uma história inédita e mais divertida. Em relação ao livro, só devem ter usado umas duas passagens bem de leve só pra dizer que usaram alguma coisa do livro, além, obviamente, da passagem do espelho (dã). Não dá pra considerar o filme como uma adaptação ou sequer uma releitura do segundo livro.

E estamos de volta ao País das Maravilhas, mais colorido e mais alegre que antes (tá explicado: Tim Burton não dirigiu haha). Os personagens antigos recusam reapresentações e os novos são inseridos em seus determinados momentos na trama. A causa de toda a aventura é loucura: Alice tem que voltar no tempo pra salvar a família do Chapeleiro, que está cada vez mais doente. O problema é que ela não pode ser vista nem pode modificar o passado. Pois é... Aceitando isso, o filme viaja (literalmente). O Tempo personificado foi baseado numa interpretação que considero errônea, mas ok, conseguiram criar um personagem aceitável.

O uso de viagens temporais torna a trama interessante, mas tudo não passa de uma desculpa para inventar origens para os personagens. Isso enriquece o universo criado na franquia, mas faz a continuação parecer desnecessária. As cenas das viagens são boas, mas suas consequências parecem não existir e, quando existem, em sua maioria são leves demais, sobrando pro grande clímax compensá-las. Mas calma que isso não faz do filme ruim. Apesar do roteiro mal aproveitado e da ideia duvidosa, o ótimo visual e o carisma dos personagens tornam Através do Espelho uma boa diversão, com tudo o que o primeiro deveria ter e não teve.

[RASCUNHO] Inspetor Faustão e o Mallandro

~Publicado originalmente em redes sociais.

Se é zoado, bora fazer algo zoado. Ou não.

"Você destruiu o meu ovo!" huehuehue Que filmes tosco! :v Curti. Faustão faz piada sem graça toda hora (é tipo mestre do Marcos Castro, pra nível de comparação). E ainda para o filme pra citar frases geniais (sqn).

Mallandro só quer saber do rap do ovo kkk Mas aproveitando o assunto, o filme tem a participação de cantores como Wando, Sidney Magal, Sandrá de Sá, entre outros. :v E ainda tem as paquitas da Xuxa (curiosidade: O filme é Xuxa Produções, sério).

A trama é muito sem noção: Deus (sim, Deus) olha pra feira de Caxias e transforma o feirante Faustão num inspetor, pra acabar com o contrabando de aves que rola pela região. Em troca do serviço, ele oferece a Faustão uma geladeira ( :v ). Mallandro, filho do chefe de polícia, se junta a ele pra desvendar o caso. Há outros personagens que acompanham a trama também, mas são poucos os que são normais nesse filme (como a mulher do Faustão e a namorada do Mallandro), porque a maioria é bem sem noção (tipo o garotinho que acompanha os dois nas missões). Faustão ainda tem dois cachorros chamados Inflação e Salário Mínimo.

O que se segue são momentos infames. Basicamente Faustão contando piada e falando frases estranhas, como já contei antes. Só achei que o encerramento poderia ter sido melhor. Não só contradisse os personagens (?) como também não fez sentido nenhum (!!!). Mas o que faz sentido nesse troço? kk

Com enrolações digníssimas e quebra da quarta parede, essa tosqueira suprema do cinema brasileiro que a Globo tenta apagar mas não consegue continua viva. Pesquisando na internet, descobri sites que analisam cada momento do filme. Merecido.

[RASCUNHO] O Bom Dinossauro

~Publicado originalmente em redes sociais.

Decidi conferir o "primeiro fracasso comercial da Pixar". Com as críticas divididas, vi sem esperar muito. O resultado foi de surpresa com uma das animações mais dramáticas já feita pela produtora. Como diz o Buzz na paródia de Toy Story 3 pela MAD: "Os filmes da Pixar podem ser tristes no começo, as vezes no meio, mas nunca no final". (ironicamente Toy Story 3 é triste no final). E se eu dissesse que O Bom Dinossauro, mesmo com seus momentos divertidos, possui um clima forte em diversos momentos da trama? Pois é.

Dentre os temas tratados no filme, a morte é algo em pauta. Como explicar isso para as crianças? Preparem os corações. Tudo bem que também tem parcialmente a morte de caça-caçador, mas isso já é tratado de forma mais humorada, mas vale a citação.

Na história do filme, o asteroide não atingiu a Terra e os dinossauros evoluíram. Aqui há uma inversão de papel, onde os dinos falam e pensam, até plantam a própria comida, enquanto o humano (um garotinho) se comporta como cachorro, além, é claro, de todo aquele jeito que vemos os homens das cavernas serem retratados.

O visual é um show a parte, tem momentos em que a ambientação parece real demais, principalmente em relação a água. As vezes parecia que gravaram uma cena real e colocaram uma animação 'realista' na cena.

O humor é simples e diverte com seu jeito inocente, até na cena alucinógena haha Quem viu entenderá. Altamente recomendado. Pixar acertou com a animação, pena que não obteve o sucesso merecido.

Making a Murderer - 1ª temporada (série)

~Publicado originalmente em redes sociais.

Através dos episódios são mostradas as cenas dos julgamentos, das interrogações policiais, da mídia jornalística (tanto bastidores quanto as matérias que foram ao ar), depoimentos dos familiares e outras gravações diversas.

O documentário se foca em mostrar materiais que tentem inocentar Avery, até porque o foco é em Avery, sua família e seus advogados de defesa. O outro lado não gostou nem um pouco disso. Soube que muitas informações não foram apresentadas, mas todo o contexto, toda a trama principal, está nos episódios.

Os primeiros episódios mostram os 18 anos em que Avery ficou preso mesmo sendo inocente. Já começa surreal, com uma suposta conspiração por trás daquilo. Como se não já fosse o suficiente, depois, como numa reviravolta de filme, acontece um assassinato e Avery se torna o principal suspeito. Daí até o final acompanhamos todo o processo de julgamento para dizer se ele é culpado ou inocente, agora com risco de pegar prisão perpétua. Novamente a suposta conspiração vem a tona. Avery contra as autoridades, uma batalha difícil de vencer.

Não conhecia a história do cara e não procurei muito sobre ele antes de ver a série. O que sabia é que a série havia causado revolta na população, o que levou a criação de um abaixo-assinado em defesa de Avery. E realmente, o sentimento de revolta é o que reina aqui. Ao longo dos últimos episódios, essa sensação aumentou perante o rumo que toda a história chegou. São tantas reviravoltas que parece mesmo coisa de filme, mas é puramente a vida real.

Com base no que foi apresentado na série, meu veredito é que Avery é inocente e que existe sim uma conspiração por trás da história. Tentei avaliá-lo como culpado, mas tudo me levava a inocência dele. Já Brendon (para os desavisados, outro personagem da história) fiquei na dúvida até o fim, mas em último momento o considerei inocente. A série acabou, mas a vida continua e estou curioso para saber o rumo da história depois do suposto fim e o impacto da série nela.

[RASCUNHO] As the Gods Will

~Publicado originalmente em redes sociais.

Tinha que ser japonês pra ser tão louco assim. Que filme bizarro! Divisor de opiniões, para assistir isso deve ter em mente que: É um filme louco, insano, e não uma historinha qualquer. Logo de começo já vemos alunos tendo as cabeças explodidas por um ser, e da cabeça voam bolinhas de gude vermelhas. Depois vemos os sobreviventes daquela escola se unindo. Eles estão presos, não conseguem sair. O jeito é jogar os jogos da morte, pois logo depois eles são levados a uma quadra, onde há pessoas fantasiadas de rato... Enquanto isso, mundo afora, coisas começam a acontecer. As cenas que se seguem são tão insanas quanto a primeira.

E ainda botam religiões no meio (só na primeira cena tem o boneco Daruma (zen budismo chinês) explodindo as cabeças e um estudante num flashback reclamando a Deus por sua vida patética e na hora do massacre pedindo ela de volta), além de seres baseados na cultura japonesa. Preparem-se para as referências (esses eu só capitei um, tive que pesquisar os outros depois haha).

O filme tem um estilo surreal, com um visual atrativo e muita violência, com momentos toscos propositalmente que beiram a transformação do ridículo presenciado em estado de choque em meio ao desespero da luta pela sobrevivência. Chega a ser assustador.

Tudo o que detalhei me resumi ao início do filme. Não dá pra dizer mais que isso sem dar spoiler, mas a premissa foi explicada. O que não curti muito foi o final aberto. Tem "sentido", as pessoas é que não estão acostumadas a obras do tipo. Pesquisei sobre o filme e descobri que é baseado numa série de mangá e que a segunda série está sendo escrita, então provavelmente teremos mais filmes futuramente.

Smosh - O Filme

~Publicado originalmente em redes sociais.

Quem diria que o Smosh ganharia um filme? E pela Netflix! Caso você não seja fã dos youtubers que fazem vídeos de humor, há chance de achar esse filme estranho e sem graça. Caso você seja fã, também há chance de achar esse filme estranho e sem graça. Curto o trabalho dos caras, mas senti que o filme é diferente do que eles costumam fazer. Talvez seja o costume por vídeos curtos (e por eu gostar mais das paródias que fazem), e quando criaram toda uma história diferente pra um longa, o estranhamento já bateu. Sem contar que esperava eles sendo eles como nos vídeos, daí vinham as paródias se conectando. Bem... mesmo sendo diferente, o filme é quase isso pra falar a verdade (???). Interpretei o universo criado no filme como uma versão deles no futuro, o Anthony mais sério e com emprego e o Ian o cara que cresceu mas não deixou de ser criança.

O humor é idiota, algo bem bobo, o que acaba divertindo, em parte (e os vídeos deles não são assim? haha). A história, ou pelo menos seu desenvolvimento, é nada demais, mas a premissa é bastante interessante. Rola altas referências durante o longa, principalmente a Pokémon, e quem sabe da história do Smosh, entenderá porque eles cantam o tema de Pokémon, digo, o tema de Monstros Escravos de Bolso. Referência ao YouTube troll, quem sacou? hehe Não sei se to viajando, mas se não tiver, tem a ver com o caso do Pokémon.

Um problema do filme é não explorar o potencial de sua premissa. Os dois amigos entram em contato com o YouTube para deletar um vídeo vergonhoso gravado na época da formatura. Para isso, o Sr YouTube pede para eles se abaixarem e... Digo, entrar num portal. Eles entram e vão parar dentro do YouTube, onde começam a viajar entre os vídeos, podendo interagir e mudar tudo. Fiquei curioso pra ver o que podiam fazer, mas o filme se resumiu a poucos vídeos e alguns bem genéricos. O foco mesmo era o vídeo da formatura, obviamente, e o da garota da bunda sendo massageada (rs). Outro "problema" é que senti falta de uma reviravolta maior, mas não quero dar spoilers. Ainda assim foi bacana de assistir, deu pra entreter. [Há cena pós-créditos]

Revendo o filme de Doom (A Porta do Inferno)

~Publicado originalmente em redes sociais.

Não me surpreendo com as mudanças de gosto que tive ao longo dos anos. Meio que era "contra" os críticos e ao mesmo tempo [quase] que "contra" o povão, já que pra mim "o que importa era a pessoa gostar". De poucos anos pra cá, vez ou outra acabei revendo alguns filmes que a um bom tempo cheguei ou a gostar ou a odiar mas a crítica e/ou o público diziam o contrário. Dentre eles, teve Demolidor, que achava bom e, quando revi, percebi como era sofrido, mas também não era tão ruim assim. Outro foi Inteligência Artificial, que odiava e, quando revi, achei espetacular. Por acaso o filme dessa vez foi Doom - A Porta do Inferno.

Não lembrava de quase nada do filme, mas na época tinha achado tudo muito incrível. Revendo, percebi os graves problemas. O filme não chega a ser ruim, mas tem uns defeitos sérios. Ok, no jogo tem demônios e tal, já no filme a princípio são aliens mas tem uns meio zumbis e o caramba. Pra ver essa adaptação não se pode esperar uma reprodução do jogo, e sim inspiração. Nunca fui fã do jogo mesmo... então tanto faz.

Começando pelo começo: Doom não tem nada de interessante pra apresentar nem pra mostrar antes disso, já que tudo ainda é um mistério. Resultado: 20 minutos indo pra lá e pra cá até finalmente chegar no local onde quase o filme todo se passa. Mas espere, pra adentrarem mais a fundo o local, leva mais uns 10 minutos. Pronto, cerca de meia hora gasta como os filmes costumam gastar pra desenvolvimento, hora do show.

Falar das partes boas? Hum... tem ação, tem... uma cena em primeira pessoa que nem no jogo... e só. Pera, tem The Rock. Agora bora falar do que todo mundo gosta: As partes ruins. Começando pela iluminação. Tudo bem que se passa num ambiente escuro e tal, mas caramba, nem os filmes do Batman são tão escuros assim. Resultado? Você torce pra ver o personagem nos esgotos, mas o que vê é no máximo os tiros. Outro ponto é a localização. Fiquei um tanto confuso. O local que entrou em quarentena ficava ligado aquele local cheio de gente que tava de boa? Não seria melhor evacuar aquilo tudo? Nisso tem uma cena do primeiro soldado ferido, que é levado pra enfermaria, passando no meio desse povo enquanto os soldados gritam pra evacuar. Mas antes daquilo não tinham achado o médico e levaram pra enfermaria? Não passaram por aquele local? E as pessoas ficaram de boa mesmo? Um médico soa um alerta de quarentena, os soldados o acham, ele é levado pra enfermaria, que fica do outro lado de tudo, e é como se nada tivesse acontecido? Espero ter entendido errado, vai ver tem uma passagem, sei lá, mas se tivesse podiam levar o soldado por lá também. Enfim. Poderia citar alguns diálogos terríveis, erros de continuidade, mas dá pra deixar passar. Por fim, digo que o final é uma bosta.

Depois de tantos problemas, porque digo que o filme não é ruim? Bem, apesar de tudo o que citei, vale mencionar que o filme tem personagens variados que ajudam a diversificar em vez de ser aquela coisa de soldados sérios, todos iguais e pronto. As cenas de ação ou são boas ou conseguem empolgar. O suspense é mais furado que uma cópia mal feita de Alien (porque foi isso que me lembrou) mas justamente pelo clima consegue ser algo que você vê, sabe que é ruim, mas não consegue odiar. Por último, cito a linda da médica que... digo, volto a citar a cena em primeira pessoa, que é sensacional.

[RASCUNHO] Quarteto Fantástico (2015)

~Publicado originalmente em redes sociais.

Não é essa porcaria toda que tão dizendo. Pode não ser um filme grandioso, pode não ser um filme que dê vontade de rever, mas passa longe de ser ruim como dizem. Dividirei em 3 partes: Origem, treinamento dos poderes e batalha final.

Origem: Na melhor parte do filme vemos a infância de Reed e Ben e depois os estudos e criação da máquina de viagem dimensional no edifício Baxter, já com a Sue e o Johnny. Não lembra um filme de super-herói, mas não impede de ser bom. A cena da exploração na outra dimensão consegue causar tensão.

Treinamento dos poderes: Ok, e agora, pra onde o filme vai? Depois de um salto temporal, o filme acaba entrando no desinteresse. Sem mostrar nada demais, vemos minutos e minutos dos ainda não heróis sendo testados. Apenas isso. Não seria algo ruim se fossem mais além. A cena da chegada de Destino é boa, mas o ainda não Quarteto parece morto, ficam andando largados pelos corredores tentando descobrir o que aconteceu. Caramba! Tá todo mundo correndo desesperado! Por que tão com essas caras sonolentas?

Batalha final: Sabem, curti como mostraram a origem dos poderes, mas tava na hora do filme encerrar... é aqui que tudo muda. Parece que não tinham mais tempo e decidiram criar uma cena de ação. Pronto. Não é uma cena ruim, mas soou tão simples... Esperava algo maior.

Por fim, devo citar os efeitos especiais ultrapassados. Dá pra perceber quando tão usando animação. Nem pra deixar real. Vindo de uma grande empresa, é complicado. O Coisa tá feio, o Destino tá feio... e fiquei lembrando dessa coisa do cabelo da Sue mudar em algumas cenas.

Comparando com os filmes da franquia anterior, é inferior ao primeiro mas superior ao segundo. Já o elenco, o antigo é imbatível.

sábado, 13 de maio de 2017

[RASCUNHO] The Village (dorama)

~Publicado originalmente em redes sociais.

Quando terminei o último episódio do dorama, meu sentimento foi um misto de (in)satisfação, mas boa parte (quase por completo), tem um resultado positivo. Com ares parte de novelão mexicano, parte de série policial, o dorama a princípio parece tratar sobre uma mulher que vai pra uma vila procurar sua suposta irmã "falecida" e descobre um corpo enterrado. Na verdade vai muito além. É um drama sobre famílias. O corpo é só um fio condutor pra toda a história se desenvolver, já que tudo gira ao redor do mistério de quem é o corpo (e posteriormente de quem é o assassino), mas vida que se segue.

A trama familiar é uma verdadeira floresta genealógica perdida em meio ao labirinto do minotauro dividido pela cronologia da franquia cinematográfica dos X-Men, porque, caramba... É cada reviravolta, cada revelação, cada julgamento, cada preconceito, cada hipótese, cada prova... E tudo pode acontecer, qualquer um pode ser o culpado, pode ser outra coisa, sei lá. Pode ser tudo. Pode ser nada. A história avança e mesmo quando parece retroceder, avança mais ainda. Claro que tudo a favor da trama. Nada deve ser ignorado, e isso é deixado muito claro conforme as histórias dos personagens prosseguem e começam a se cruzar.

O primeiro episódio é o mais "fraco", depois melhora. A princípio me senti enganado ao ver a mania que os coreanos tem de colocar estrangeiros em algumas cenas. Pensei que teria certo envolvimento, mas não. Passou aquilo, nem voltam no assunto. Reclamo disso apenas porque já vi dramas que desenvolvem relações internacionais e utilizam muito bem tais cenas para uma trama melhor e mais explorada. Mas enfim.

Notei a ausência de músicas cantadas. É uma ost instrumental, no máximo com músicas dentro do contexto da trama sendo tocadas em ambientes ou cantaroladas por algum personagem. O dorama também foge de alguns clichês, trazendo uma carga romântica baixa e de forma diferente do habitual, até mesmo quando se trata de 'triângulo amoroso', se é que dá pra ser considerado isso.

Por parte dos atores, não há muito do que reclamar. A maioria possui uma atuação competente e combinam com seus personagens. Por parte de desenvolvimento, está ótimo. Cada personagem cumpre seu papel na história, não há tramas aleatórias, assim como qualquer bom dorama que se preze também não há. Tudo está conectado, por mais que não pareça rs

Mas é nesse ponto que está o problema do dorama. Ok, tudo o que é mostrado é por algum motivo. Nada é aleatório. Ótimo. Só que há personagens que a princípio não são tão importantes para a trama e, por mais que alguns possam influenciar o rumo das coisas tanto quanto ou até mais que alguns dos principais, não se tornam destaques. O destino deles pode ou não se desenvolvido, independente de sua importância. Tudo bem que o dorama tem bastante sub-tramas, é um monte de personagens, várias famílias, mas no último episódio deixou visível demais que poderiam 'arredondar' a história, mas não fizeram. O resultado é uma obra competente, que encerra seu arco principal, mas que deixa uma história incompleta desnecessariamente. Felizmente não desmerece a obra como um todo.

[JAM STATION] Caminho da Morte

Link: http://www.jam-station.com/2017/05/caminho-da-morte-quando-o-generico-se.html

quinta-feira, 6 de abril de 2017

[GEEKABLE] Power Rangers (2017)

Link: https://geekable.com.br/power-rangers-critica/

[GEEKABLE] Kong: A Ilha da Caveira

Link: https://geekable.com.br/kong-a-ilha-da-caveira-critica/

[GEEKABLE] LEGO Batman: O Filme

Link: https://geekable.com.br/lego-batman-o-filme-critica/

[GEEKABLE] Resident Evil 6: O Capítulo Final

Link: https://geekable.com.br/resident-evil-6-o-capitulo-final/

[GEEKABLE] Assassin’s Creed

Link: https://geekable.com.br/assassins-creed/

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

[RASCUNHO] Real (2013)

~Publicado originalmente em redes sociais~

Real (2013)

Bom filme. O cara entra na mente da amiga que está em coma após uma tentativa de suicídio para faze-la acordar, mas as coisas começam a complicar porque ela não quer e a experiência causa efeitos colaterais e ele começa a ser assombrado na vida real. Mas isso não é nada perto do que está por vir.

Comecei a teorizar os acontecimentos e como seria a conclusão, mas mesmo com rumos óbvios, o filme engana. Isso por causa da grande reviravolta, introduzida de forma rasa devido ao seu peso e criando certas expectativas (ou eu que viajo demais teorizando as coisas), mas pouco depois desenvolvem o ocorrido, dando tempo para refletir. Senti que o filme ironizou o impacto ao colocar um personagem indagando sobre o motivo daquilo ter acontecido daquela forma. Não só isso como também reutilizam momentos pré-reviravolta de forma repaginada pós-reviravolta, o que é curioso.

'Real' é um daqueles longas japoneses de baixa produção que chamam a atenção e possuem histórias tão boas que relevam qualquer problema de edição (que é bem fraco, mas não prejudicial). É um longa lento, que atrai pelas conversas naturais e a curiosidade do que tudo aquilo realmente significa, o que é verdade. Curiosamente, isso leva aos minutos finais um tanto quanto 'diferente' do restante do filme. Das surpresas, deve ter sido a mais inesperada pra mim haha Foi estranho. E não posso deixar de observar que, pelo filme não usar as 'assombrações' para assustar (sequer é o objetivo), felizmente não se utiliza de efeitos sonoros forçados para tal, equilibrando com o clima do longa.

sábado, 4 de fevereiro de 2017

[KPOP AMINO] Lifi - Uma Galinha na Selva

~Publicado originalmente no Kpop Amino~

[RESENHA] Lifi - Uma Galinha na Selva


Título: Lifi - Uma Galinha na Selva

Título original: 마당을 나온 암탉

Ano de lançamento: 2011

Classificação: Livre

Sinopse: "Leafie é uma galinha que vive em uma fazenda produtora de ovos, junto de dezenas de outras fêmeas como ela. Entretanto, Leafie não consegue ter seus próprios ovos, ela apenas choca os ovos de outras galinhas e isso a deixa muito triste. Em meio a sua fuga do galinheiro, ela acaba sendo responsável por chocar e criar um filhote de pato órfão, que perdeu os pais para uma doninha caolha".


Lembro que, quando conheci a animação, me disseram que era infantil. Terminei com a mão na cabeça surpreso com o que ousaram mostrar. Vendido como infantil, mas com um teor pesado. Apesar do título nada atraente e digno de afastar muita gente, os traços da animação são chamativos. Me surpreendi com tanta gente falando bem do filme e descobri que alguns países tinham censurado o final. Decidi conferir não só por ser uma animação coreana, mas também pelas supostas polêmicas.


Quando comecei a ver, entendi o motivo. Não era uma animação tão infantil assim. Havia mortes, o ciclo natural da vida era mostrado de forma verdadeira, algumas poucas cenas continham sangue, entre outras coisas. A animação mesmo já começa mostrando os ovos saindo das galinhas haha Pode parecer bobo para alguns, mas é muito difícil vermos animações infantis mostrarem essas coisas. Temas como morte e o uso de sangue são evitados no ocidente em obras infantis até certo ponto. Enquanto nos animes vemos isso aos extremos (apesar de censurarem quando chegam aqui), por aqui as animações tendem a ser mais "politicamente corretas" e mais "fantasia feliz", por assim dizer.


A história da galinha Lifi que foge do galinheiro e adota um patinho órfão é pra cativar qualquer um. Como a sinopse diz, os pais desse patinho morrem com o ataque de uma doninha, mas isso não acontece de imediato no filme, ainda tem muita coisa antes. A animação tem o cuidado de desenvolver todo o momento que a levou até ele. Lifi sai de sua "zona de conforto", incomodada com a vida que leva, e decide se aventurar, mas, inocente, descobre que a vida lá fora é cruel.


Passada toda a tragédia, acompanhamos o crescimento do pato e a adaptação da galinha aos novos ambientes. Eles conhecem novos animais e Lifi percebe as mudanças de seu filho enquanto os anos passam. Não entrarei em detalhes para não estragar a história, mas eles tem que enfrentar rejeições e dúvidas sobre eles mesmo e suas relações não só entre eles, mas consigo mesmo e perante os outros. A animação trata sobre o amadurecimento e a família, sobre o local a quem você pertence.


Sobre a censura do final, não sei o critério usado, mas eu vi dublado e o final original estava lá. Aliás, está no dvd, o que me faz pensar se talvez esse filme tenha passado na tv e aí sim censuraram o final. Realmente não sei. A censura apenas corta o restante do filme, criando uma espécie de encerramento bonitinho depois de tudo o que aconteceu. Mas a vida prega suas surpresas e a esperança de que tudo termine bem é o que resta. Sem revelar, posso dizer que o final original foi forte. Não tava preparado para o que fizeram. Mesmo com tudo o que mostraram, não acreditava que realmente fariam aquilo.


Em geral, Lifi é um filme sobre família, descobertas, aceitação, ideais. Uma bela mensagem perante um mundo tão cruel, mas ao mesmo tempo tão belo quando estamos perto daqueles com quem nos importamos. É uma busca por um fio de esperança para continuar vivendo e lutando cada dia mais contra a desigualdade e a maldade do mundo, buscando respeito e união, mesmo que pareça tão distante. Temas tão grandiosos e tão apegáveis retratados num animal considerado frágil: uma galinha.


Curiosidades:

- Baseado no livro 마당을 나온 암탉, de Hwang Sun-mi, lançado em 2000. Se tornou best-seller, sendo traduzido para diversos idiomas e ficou uma década entre os livros mais vendidos.

- Foi lançado nos EUA com o título "The Hen Who Dreamed She Could Fly" ("A Galinha que Sonhava Poder Voar", em tradução livre).

- O livro foi inspirado na triste vida do pai da autora, que era agricultor.

- A animação possui a maior audiência para uma animação sul-coreana, com mais de 2 milhões de pessoas.

- Foi a primeira animação coreana a ser lançada nos cinemas da China.

- Tanto o livro quanto o filme foram indicados e ganharam diversos prêmios, incluindo em países em que as obras foram traduzidas.


quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

[RASCUNHO] Goblin (dorama)

~Publicado originalmente em redes sociais~

Goblin foi a maior surpresa que tive nos doramas até agora. Isso porque eu teria deixado passar se não fosse a quantidade de elogios (incluindo de gente com bom gosto rs). Geralmente não me atraio pelos doramas tão falados, mas esse me interessei pela sinopse e tive que conferir. E tinha o ator que fez Train to Busan (aliás, há referência no dorama sobre isso). Viciei no primeiro episódio e não consegui parar mais até terminar. 

Como de costume, o primeiro episódio dos doramas nem sempre condizem com o estilo do restante. Aqui temos um início épico, uma batalha antiga na época do império, resultando num fim trágico. Apenas depois somos levados para próximo a atualidade e assim continua até finalmente os dias atuais chegarem, onde os personagens começam a ser melhor apresentados e a história passa a se desenvolver mais lentamente. O dorama então entra numa mistura de gêneros, com drama, romance e comédia, seguindo os clichês do mesmo, mas com uma trama e personagens marcantes. 

Uma trágica história de amor sobre um imortal que virou duende e quer morrer, mas, para isso, a mulher certa deve puxar sua espada cravada em seu peito. Vale mencionar que inicialmente a suposta "noiva do duende" ainda é menor de idade, e o dorama sempre deixa isso claro, tendo cuidado ao mostrar o envolvimento dos dois e a dúvida sobre aquela possível relação (não só pela idade, mas pela falta de confirmação). 

Os personagens não tão secundários assim compartilham de momentos tão intensos quanto os principais. Tudo está interligado e falar mais que isso é spoiler. Muita coisa acontece durante os episódios e tudo pode mudar a qualquer momento. Para não prolongar, dentre os personagens marcantes há o ceifador, encarregado de levar a alma daqueles que morreram para o outro mundo, seguindo ordens superiores. As cenas dele trabalhando são memoráveis. 

Como todo bom dorama que se preze, a tragédia marca presença, ainda mais aqui onde envolve a todo momento a morte, a vingança, a saudade. A cada episódio, a cada revelação, a cada reviravolta, uma curiosidade sobre o que irá acontecer surge, mesmo que saibamos o inevitável. E quando tudo parece estar caminhando para um lado, pode também estar caminhando para outro, mas também para o lado que sempre caminhou, sendo apenas evitada sua percepção. Surpresas e mais surpresas. 

Goblin conta com ótimas atuações, uma trilha sonora marcante (uma das melhores que ouvi), alguns enquadramentos dignos de cinema e efeitos especiais convincentes e bem trabalhados, sendo superiores a muitas produções, incluindo americanas. Desde seu início épico até seu final marcante, a história daqueles que pagaram o preço pelas consequências da vida passada vai deixar saudades.

SOBRE MIM

Minha foto
Formado em jornalismo e futuro escritor de livros. Criei um blog em 2008 por curiosidade para reunir o que achava de melhor na internet. Em 2010 criei outro blog para críticas de filmes e afins. Buscando apresentar uma identidade mais pessoal, em 2014 reformulei ambos. Hoje servem mais como meios de divulgação para matérias que publico em outros sites.