domingo, 14 de maio de 2017

[RASCUNHO] As the Gods Will

~Publicado originalmente em redes sociais.

Tinha que ser japonês pra ser tão louco assim. Que filme bizarro! Divisor de opiniões, para assistir isso deve ter em mente que: É um filme louco, insano, e não uma historinha qualquer. Logo de começo já vemos alunos tendo as cabeças explodidas por um ser, e da cabeça voam bolinhas de gude vermelhas. Depois vemos os sobreviventes daquela escola se unindo. Eles estão presos, não conseguem sair. O jeito é jogar os jogos da morte, pois logo depois eles são levados a uma quadra, onde há pessoas fantasiadas de rato... Enquanto isso, mundo afora, coisas começam a acontecer. As cenas que se seguem são tão insanas quanto a primeira.

E ainda botam religiões no meio (só na primeira cena tem o boneco Daruma (zen budismo chinês) explodindo as cabeças e um estudante num flashback reclamando a Deus por sua vida patética e na hora do massacre pedindo ela de volta), além de seres baseados na cultura japonesa. Preparem-se para as referências (esses eu só capitei um, tive que pesquisar os outros depois haha).

O filme tem um estilo surreal, com um visual atrativo e muita violência, com momentos toscos propositalmente que beiram a transformação do ridículo presenciado em estado de choque em meio ao desespero da luta pela sobrevivência. Chega a ser assustador.

Tudo o que detalhei me resumi ao início do filme. Não dá pra dizer mais que isso sem dar spoiler, mas a premissa foi explicada. O que não curti muito foi o final aberto. Tem "sentido", as pessoas é que não estão acostumadas a obras do tipo. Pesquisei sobre o filme e descobri que é baseado numa série de mangá e que a segunda série está sendo escrita, então provavelmente teremos mais filmes futuramente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

SOBRE MIM

Minha foto
Formado em jornalismo e futuro escritor de livros. Criei um blog em 2008 por curiosidade para reunir o que achava de melhor na internet. Em 2010 criei outro blog para críticas de filmes e afins. Buscando apresentar uma identidade mais pessoal, em 2014 reformulei ambos. Hoje servem mais como meios de divulgação para matérias que publico em outros sites.